Blog do escritor Ferréz

Ferréz em Paraty

Salve, vou estar na Festa Internacional de literatura, dessa vez como convidado do Clube dos autores, que fica localizada no seguinte endereço.
Rua da Lapa 375 Centro Histórico – Paraty – RJ
a palestra será dia 7 de Agosto, as 16:30.
depois vou sair por lá vendendo o Cronista de um tempo ruim, o Selo Povo vai invadir Paraty, sem preguiça pela litera-cura.
Agradecimentos ao www.clubedeautores.com.br
aguardo vocês lá,
Ferréz
abaixo matéria que saiu quando fui convidado pela Flip.


16:30 do dia 07/08, com duas horas disponibilizadas para o evento.
Retrato da periferia ganha espaço na Festa Literária Internacional


Zuenir Ventura, Ferréz e José Martins durante o Flip
Entre o elenco de escritores nacionais e internacionais escolhidos para participar das 19 mesas que compuseram a Festa Literária Internacional de Parati (Flip), que aconteceu entre os dias 7 e 11 de julho, destaca-se um jovem nome da literatura nacional. Peculiar no jeito de ser, de falar e até de vender seus livros - já que montou uma espécie de "estande" do lado de fora do local onde eram vendidos os títulos dos autores participantes - Reginaldo Ferreira da Silva, conhecido como Ferréz, ganha cada vez mais espaço entre os escritores brasileiros com o que ele próprio denomina de "literatura de periferia". Para o sociólogo da USP José de Souza Martins, que também participou da Flip, a obra de Ferréz, além de dar voz aos moradores da periferia, retrata uma realidade que muitos desconhecem.

"Para as ciências sociais, a literatura pode ser vista como um documento. Ferréz faz um trabalho etnográfico da realidade da periferia de São Paulo, do ponto de vista do morador", afirmou Martins durante a Flip. Para o sociólogo, a obra transforma o morador da periferia em autor de seu próprio discurso. "É preciso parar de falar que somos a voz daqueles que não têm voz. Os moradores de periferia não têm voz porque lhes cortaram a língua", afirma Martins.

As obras de Ferréz, Capão Pecado, publicado em 2000, e Manual prático do ódio, de 2003, retratam o cotidiano da periferia de São Paulo, com foco no bairro do Capão Redondo, uma das regiões mais violentas da cidade. Com linguagem informal, traz cenas rotineiras dos moradores da região. "Eu encontrei na literatura um jeito de driblar a minha realidade. A vida na periferia é tão degradante que é preciso se autofirmar o tempo inteiro", afirma o autor, que contou que é idolatrado pelos moradores da região.

Para o autor, a literatura de periferia é atrativa para o morador das regiões periféricas porque há uma identidade com o que é tratado no livro. Mesmo assim, boa parte do que é produzido na periferia jamais chegará às livrarias. "Não é preciso comprar a nossa literatura por sentir pena, mas porque são obras de qualidade. Existem coisas boas e ruins também na literatura de elite. Não basta escrever e ser de periferia; tem que escrever bem, ainda mais porque temos que provar com muito mais força que a nossa literatura é boa", afirma.

Ferréz ressalta que não aborda o morador de periferia como excluído da sociedade. "Quem está excluído é a elite. Eu não ando de carro blindado e não tenho câmera vigiando a mim e a minha esposa", lembra Ferréz. Para o sociólogo Martins, a palavra exclusão é 'uma grande sacanagem cultural', já que não há exclusão porque o sistema não existe sem os chamados excluídos.

Na realidade da periferia de São Paulo, destaca Ferréz, além do desemprego, um grande problema é o álcool, e não as drogas, como se costuma pensar. "Há traficantes, mas eles ficam de um lado e nós fazemos o nosso movimento cultural de outro", afirma, adicionando que costuma brincar dizendo que "trafica livros". O movimento cultural ao qual Ferréz se refere inclui também poesia e música, como rap e hip-hop, estilo que o autor também compõem. "A literatura tem que ser tão popular na periferia quanto o rap é atualmente", diz.

Manual prático do ódio será em breve transformado em filme, com os mesmos roteiristas de Cidade de Deus. De acordo com Ferréz, Capão Pecado também foi especulado para ser adaptado para o cinema, mas a oferta foi negada já que, para ele, o bairro Capão Redondo ficaria muito exposto. Além disso, ele acredita que a produção de um filme sobre a região poderia provocar uma falsa expectativa de mudança na realidade do bairro, como aconteceu com Cidade de Deus. "Não é a minha função transformar meu livro em filme, assim como não é função do filme mudar a realidade do que é abordado", conclui.

A Festa Literária Internacional deste ano contou com um público recorde de mais de 10 mil pessoas. As 19 mesas que fizeram parte do evento tiveram a presença de 20 grandes nomes da literatura nacional, como Lygia Fagundes Telles, Ziraldo, Moacyr Scliar, além de 16 escritores estrangeiros convidados, como o norte-americano Paul Auster, a portuguesa Lídia Jorge e o britânico Ian McEwan.

Crédito das fotos: Sabine Righetti

3 comentários:

YLSÃO NEGREDO E RENATO VITAL A CORRENTE FORTE DO GUETO disse...

Isso mesmo um representante nosso em paraty. Parabéns Ferréz o hip-hop prossegue. Abraços.

Perê disse...

Olá Ferréz, como vai? Meu nome é Priscila e sou editora de uma pequena revista literária (Cabeça de Papel)que circula na região metropolitana de Belo Horizonte. Nos identificamos muito com a sua produção literária, pois o Cabeça de Papel tem como objetivo dar voz à pereiferia, de forma que gostaria de saber se você se disponibilizaria a publicar algum texto em nossa próxima edição (que sairá em outubro). Pensei em um artigo que falasse sobre literatura e periferia... O que me diz? Caso seja possível poderia entrar em contato comigo no meu email?
priscilabborges@yahoo.com.br

Abraço e obrigada

Priscila Borges

Perfil: disse...

Bacana! Boa apresentação em Paraty Ferréz. Você não é apenas voz da periferia, mas voz de toda uma classe. Pena eu não poder estar no festival para lhe ouvir. Grande abraço