Blog do escritor Ferréz

Palhaçada

Amigos (as) o barato é louco mesmo, quem rala muito só se ferra, eu tentei a lei do VAI mais uma vez, afinal algumas pessoas já foram aprovadas com textos meus, e tal, mas é o terceiro ano e mais uma vez perdi, tudo pela ordem, nunca foi fácil, nem será, sempre paguei pela arte que faço, vendo roupas no dia-a-dia, agente continua na caminhada, tem caras correndo com a gente que faz o sorriso continuar querendo sair, como o Eleilson, Erton, Almério, Ylson, Antônio leves e M. Jolnir, assim como o Marcelo Martorelli.
agora veja o texto abaixo, a indignação de quem batalha a tantos anos e tem que olhar o dinheiro que seria nosso ser ganho por revistas como Roling Stone, que cada folha de "reportagem" tem uma propaganda na outra, na moral é muita putaria esse pais.


http://zonabranca.blog.uol.com.br/images/capa_rolling_stone.jpg
Rolling Stone: R$ 524 mil de dinheiro público via Ministério da Cultura

No segundo semestre do ano passado o Ministério da Cultura lançou o edital para Periódicos de Conteúdo Cultural.

Não sei se revistas literárias como Babel (Santos), Ontem choveu no futuro (Campo Grande), Entretanto (Recife), Polichinelo (Belém), revistas pequenas e de grande qualidade, foram inscritas. A Coyote foi.

Esta semana saiu o resultado. Os vencedores: Rolling Stone (que tem na capa da edição de março o apresentador do Big Brother Brasil, Pedro Bial), levou Cr$ 524 mil. A Cult, R$ 504 mil, a Brasileiros, R$ 441 mil e a Piauí, R$ 399 mil.

http://zonabranca.blog.uol.com.br/images/coyote_19.jpg
Coyote: R$ zero vírgula zero zero

De um lado, revistas comerciais, de mercado, que se sustentam com vendas e anúncios.

De outro, revistas de pequena estrutura, sem a menor chance de sobrevivência na rapina do mercado e que realmente veiculam conteúdos altamente culturais.

Como a distinta platéia sabe, revistas literárias no Brasil, desde o tempo da Klaxon (dos modernistas),da Revista de Antropofagia (de Oswald de Andrade), e da Joaquim (de Dalton Trevisan), têm vida breve. Apesar da qualidade (internacional!) morrem a míngua pela falta de recursos.

E o Ministério da Cultura, contrariando todo o seu discurso, preferiu injetar recursos nas revistas de mercado e virar as costas para as revistas literárias, de pequena ou nenhuma estrutura, feitas invariavelmente por poetas e escritores, que publicam o que há de melhor e mais radical na literatura brasileira, e que lutam heroicamente para se manterem vivas.

Nos discursos, a equipe ministerial até já não se esquece de incluir a literatura quando fala de políticas públicas para a cultura. Na prática, continua cagando e andando para os escritores.

Ademir Assunção

Publicado no blogue espelunca: http://zonabranca.blog.uol.com.br

10 comentários:

Renato disse...

Olá colega Ferréz, boa tarde.

Gostaria de enviar um convite/informativo do edital Rumos Literatura do Itaú Cultural.

Trata-se de um programa nacional de incentivo a produção e crítica literária, inteiramente gratuito, que já está com o período de inscrições em aberto.

Para tanto, peço que me passe um e-mail de contato através do renato@comunicacaodirigida.com.br para passar-lhe maiores informações.

Grato.

edugodoy disse...

Salve Ferrez!
Quem te escreve é o edu , que estava de tecnico e som na bienal do livro no stand do sesc, e que desenvolveu uma serie de palestras sobre o rap e a literatura, ta ligado? Entao fiquei um mes entrando em contato com o ministerio da cultura, falei c uma pessoa que me indicou outra, essa me indicou outra, que me indicou outra, depois de 40 dias e cinco pessoas diferentes ninguem responde, enquanto isso entrei no site do BNDES e vi que o ator marco ricca da rede globo teve um projeto aprovado e vai receber R$ 700.000 ( setessentos mil reais ) p fazer um filme, enquanto isso em pirituba onde eu moro, o que mais cresce sao os pontos de drogas, por que será? abrc edu godoy

Barraco Das Ideias disse...

por isso mesmo que não podemos abaixar a cabeça pra esses putos covardes e manipuladores, porque quem quer que o povo desenvolva, é inimigo agora quem aliena o povo na com mentiras e bem visto e ainda fabricam herois
um abraço irmão, paz!

japao disse...

é muita patifaria mesmo...
são tantas coisas contra que dá desgosto.
é de trazer mta indignação realmente, é como vc mesmo já falou alguma coisa assim: o projeto cultural feito com nosso imposto, só beneficiando essa elite medíocre, deve valer alguma vaga num possível inferno...
forte abço.

Zeh disse...

É, Ferrez... Teu blog tá na minha lista de favoritos não é à toa. A gente não fica sabendo disso justamente porque a alienação é cuidadosamente orquestrada. Lamentável. Parabéns pelo blog e pela batalha contínua! Abraço!

Diário de Obra disse...

Ferrez,

Sem dinheiro é extremamente complicado e desde o descobrimento tem sido assim.
Mas acho que quando entra dinheiro do estado na mão de pobre é pior ainda. Basta olhar como a elite que esta ficando cada vez mair rica fala sobre os programas sociais do governo Federal. Recebendo verba estatal você seria linchado e seu projeto seria motivo de chacota ai mesmo no capão. O povo iria passar na na porta da sua loja e dizer: Tá vendo, ele esta ficando rico com o dinheiro "nosso" que roubou enquanto a gento só se podendo(*). Meu, na moral, falo como um simples admirador do seu trabalho e não tenho a pretensão de te dar conselho pois estou de fora e é muito fácil administrar a vida e os problemas alheios:
_Melhor ver seu projeto atuar em um campo pequeno nas que evolui que vc fazer o papel que se prestam Dimenstein, João Carlos Martins(? - aquele maestro?) que vão para a favela com ONG's financiadas com o dinheiro público ensinam para a sociedade que o pobre só sai da miséria cultural se a elite se movimentar.
Já pensou você?
O seu projeto - na minha visão - é de que NÓS mesmos temos que nos mexer e não dependermos desta elite que não percebeu que o mundo mudou.

Pronto, falei

Elemento disse...

Lamentável...

Azarias disse...

A Rolling Stones é um Império, a Cult é prima-irmã da História Viva da fundação FHC, Piauí é do filhote de banqueiro. Houve mudança nesta mundana?
Há um tempão atrás, a professora pediu ao aluno que trouxesse lápis de côr. Só que não falou a côr.
Hoje, contei a tragédia e a professora deu risada.

Doctor Darwin. Bicho é POP ! disse...

YO, Ferrez, achei a manifestação "gratuita e sem fundamento" sobre as verbas repassadas as grandes revistas. Faltou um argumento mais ponderante. O seu manifesto me fez achar que vc se colocou no papel de vítima de um sistema que vc conhece a um bom tempo, que é o de criação+vendas=lucro. Eu concordo com o "DIARIO de OBRAS" quando ele fala do perigo em se colocar muito dinheiro em mãos de pobre. Talvez o pobre não seja o problema e sim a falta de capacidade em administrar. Vc sabe, que qualquer revista dessas que foram beneficiadas, geram empregos diretos e indiretos, e atrai publicidade. A luta é covarde, vc sabe disso, mas o "preparo" para encara-la é o que determinará se os pequenos irão sobreviver. Até grandes escritores e editoras tem dificuldade em ace$$o literário. Não acho injusto o repasse as "gigantes", apenas incapacidade administrativa dos "Pequenos"...

Azarias disse...

Doctor Darwin, pelo seu pensamento, todas as formas de civilização que existiram nas Américas foram incompetentes em seus métodos de administrarem suas potencialidades?
Os povos da floresta e os respectívos animais estão sendo dizimados pelas "competentes" multinacionais?
Por isso acredito que o socialismo não é apenas uma idéia... é sentar-se na calçada (ao entardecer) e bater papo.