Blog do escritor Ferréz

Dia Corrido, a Quebrada e a Paulista.

O lançamento do livro da Tia Dag na avenida Paulista, livraria Cultura, foi mil grau.
Time de peso, divulgando o livro Pedagogia do Cuidado, um trabalho obrigatório quando se trata de mediadores de conflito.
e quem comprar o livro tá ajudando também a Casa, já que a renda é destinada para a associação.

Quem foi entrou no clima positivo da Casa do Zezinho, e pode conferir porque o trabalho dos educadores e da Dag é o melhor hoje no Brasil, quando se trata de comunidade.

Evanise (educadora) e Rael (meu irmão)




Tinha gente de todos os lados, e muitos zezinhos deram seus emocionantes depoimentos, de luta e esperança, apesar de todas as dificulades.




Dag autografando a sua primeira incurssão na literatura.
Também fui fazer uma palestra no Núcleo de proteção psicossocial Jd Angêla.
a equipe me passou uma carta onde fiz que ao longo do mês eles introduziram a Literatura Marginal ao cotidiano do atendimento aos meninos.
A carta fala da identificação dos adolecentes com a escrita, com o jeito de contar história, linguagem, assunto, conseguiram que o medo do livro fosse amenizado.
A palestra foi no Jd. Capela, e a quebrada tá muito judiada, abandono total, e isso é refletido diretamente nos meninos, que estão em liberdade assistida.
durante a palestra para os jovens, que eram uns 40 entre meninos e meninas, o fato que mais me marcou foi um deles bater de frente comigo, dizendo que não gostava desse "negócio" de ler, então eu o desafiei, e disse que um dos dois naquele dia ia mudar, ou ele ia amar os livros, ou eu ia odiar, ele retrucou e disse que eu ia ter que odiar então.
a palestra foi rolando, num momento eu dei uma revista da Literatura Marginal pra ele, que imediantamente disse que não ia ler, eu disse - tudo bem, fica de presente pra você, faça o que quiser.
ele respondeu - quando faltar papel lá em casa eu uso.
Fingi que não entendi, e comecei de novo a palestra, falando da nossa realidade, e do que o sistema quer que a gente seja, e do que agente deveria ser de fato.
O menino foi foleando a revista, eu falando, e num momento, ele estava lendo a revista, eu apontei em silêncio e todo mundo olhou, então um dos meninos pegou no braço dele, pra dizer que tava todo mundo olhando, e ele disse - perai porra! eu to lendo um negócio aqui.
Então pedi uma salva de palma pra ele, porque eu não teria que odiar a leitura, já que ele tava lendo agora.













Depois desse dia, onde ainda envie alguns produtos pra loja da 1dasul e respondi os e-mails, deitei e tive a impressão de que sempre vale a pena guerrear por uma melhora pro nosso povo, eu vi num só dia, os meninos em liberdade assistida, e os meninos da Casa do Zezinho, e o caminho agora é bem claro, muito trabalho ainda vem por ai, porque o tempo não para.
fica um alerta.
Jd. Capela, assim como Valo Verde, Aracati, e todo entorne merecem mais atenção.
Ferréz








6 comentários:

WILSÃO NEGREDO E RENATO VITAL A CORRENTE FORTE DO GUETO disse...

Isso são caminhos pra periferia melhorar. Ontem teve apresentação nossa, é onde percebo que é cada fazendo a sua parte, gestos simples podem mudar a vida de muita gente. Caos em Santa Catarina, caos na educação paulista, e vamos caminhando. Abraços.

Paulo 2péc disse...

Pra mim quem diz que não gosta de ler é porque nunca ficou a sós numa sala silenciosa com um bom livro! Férrez parabéns pelo quadro interferência, eu gosto muito de assistir! Valeu.

Sentimento de Fúria disse...

Vendo esse relato do menino que dizia odiar leitura,é o que encontro sempre na sala de aula quando toco no tema da cultura e levo literatura pra eles...sempre rola uma cara esquisita mais quando começam a ler textos seus,do fuzzil,da elizandra,akins,du gueto e outros que levo,de cara eles se identificam com o assunto e percebem que desse lado existe uma literatura que fala diretamente da nossa vida...com experiencias como essas vemos que basta conhecer para que exista o interesse.
Força ai na caminhada...abraços!

Sentimento de Fúria disse...

Vendo esse relato do menino que dizia odiar leitura,é o que encontro sempre na sala de aula quando toco no tema da cultura e levo literatura pra eles...sempre rola uma cara esquisita mais quando começam a ler textos seus,do fuzzil,da elizandra,akins,du gueto e outros que levo,de cara eles se identificam com o assunto e percebem que desse lado existe uma literatura que fala diretamente da nossa vida...com experiencias como essas vemos que basta conhecer para que exista o interesse.
Força ai na caminhada...abraços!

Consta nos Ovnis, no Pravda, na Vodca disse...

"peraí q eu to lendo"
hahaha
o menino leu! parabéns ferréz :)

Fabrício Romano disse...

Enquanto isso a escritora queridinha da mídia lança livro de 168 reais pra playboy, cê tá ligado quem é..