Blog do escritor Ferréz

Racismo em filme (Juliana Danielle)


Ferréz,

Infelizmente hoje eu e meu namorado perdemos duas horas preciosas de nossas vidas e ainda perdemos R$20 indo ao cinema assistir ao "filme" (se é que se pode chamar assim uma coisa tão ridícula) "Trovão Tropical". Antes de sair de casa, eu já previa: "Mais um besteirol americano....", mas enfim, ele queria ver, então fomos.

Não sei se é porque as pessoas já vão sabendo que é uma comédia e assim já vão predispostar a dar risada ou se elas realmente dão risada por qualquer coisa, mas o filme era tão bobo que eu não consegui rir em nenhum momento, mas os outros ao meu redor forçavam suas gargalhadas num esforço para fazer valer seus R$10 e sua tarde de segunda-feira.

Enfim, quando eu já tinha desistido de tentar achar algo engraçado, foi que veio a pérola: uma das personagens, é um homem branco que fez uma cirurgia para ficar com a pele da mesma cor de um afro-desccendente para poder interpretar um papel em outro filme. Então ele começa a tentar falar e agir como os afro-americanos, o que acaba irritando o afro-americano do elenco, que chama aquele ator de "negro". Este, então, fica mais bravo ainda e o agarra, dizendo que ele não deveria usar aquela palavra que "os" oprimiu durante tantos anos.

Depois desta cena, não sei o que aconteceu. Minha primeira reação foi levantar, gritar pra todo mundo que esse filme é ridículo, racista e preconceituoso, que todos que estavam rindo da cena eram um bando de babacas e então sair do cinema, mas meu namorado não quis sair (só pra constar, eu sou "branca" e ele é afro-descendente). Então tive que esperar a porcaria do "filme" acabar. No entanto, virei de costas, pois não tinha mais estômago pra ver tanta bobagem.

Enfim, estou mandando este e-mail, pois eu não poderia fazer muita coisa quanto à isso, mas a primeira pessoa que veio à minha cabeça que pode fazer com que isso se torne público foi você. Já ví no seu site você falando de filmes racistas, então indico mais este para a extensa lista.

Por enquanto é só.

Abraços

Juliana Danielle
PS. Juliana Danielle autorizou a publicação desse texto nesse blog.

7 comentários:

digs disse...

Esse filme já deu o que falar... os Homosexuais já reclamaram das cenas, os afro-descentendes também reclamaram... nem fui assistir, não gosto do gênero, acho perda de tempo, mas quantas pessoas são enviadas para o cinema sempre que outra polêmica dessas ganha espaço no imaginário das pessoas? Quer promover um filme ruim? Gere polêmica ao redor dele... a receita já deu certo antes e vai dar certo por muito tempo ainda...

Rodrigo Leme disse...

Bom dia Ferrez,

Sou colaborador de um site sobre quadrinhos e cinema, chamado NanquimHQ (http://www.nanquimhq.com.br). Estou te escrevendo para pedir um pouco do seu tempo para conversarmos sobre o 1000 Fita.

O site tem uma inclnção para a produção brasileira de HQs, e acho que a sua iniciativa tem que ser coberta por nós.

Gostaria se possível de te entrevistar e saber mais sobre o projeto. É jogo rápido, posso me deslocar até você sem problemas, ou fazer por fone, e-mail, como você achar melhor.

Desculpe usar esse quadro de comentários, mas não tenho seu e-mail. Caso lhe interesse, meu e-mail é mtnjester@gmail.com .

Valeu pela atenção.

Adriano Queiroz disse...

Tem filme ruim para dar e vender, ops, só vender e por muito caro.
Mas o pior não é o dinheiro e sim a sensação incômoda que se sai da sala.
Não vi o filme e nem o verei, não saio de casa para ver este tipo de filme.
Juliana parabéns pela indignação seguida de atitude.

Abraço

ju_corinthianalhp disse...

Só pra não ficar no ar... no e-mail de resposta ao Ferréz, expliquei um pouco melhor pq fiquei tão injuriada com o tal do filme... reproduzo aqui:

"Foi triste mesmo... me lembro que quando saí do cinema (fiz questão sair falando bem alto: que filme horrível!! preconceituoso!! racista!!) ainda disse pro meu namorado: "Não sei quem tava com mais vergonha - se era você, pq eu fiquei o filme todo virada de costas ou se fui eu, porque você não quis ir embora na hora que tinha que ir e ainda continuou rindo..." É lamentável, mas isso é uma grande estratégia para enfraquecer as nossas lutas. Tinha esquecido de comentar no e-mail que lhe mandei, mas o filme também mostra preconceito contra pessoas com problemas mentais, homossexuais, dentre outros. Fora os que eu não ví... Como eles estão vendo que as lutas contra o preconceito e o racismo estão ganhando força, fazem filmes como este para banalizar e tornar tudo motivo de piada, quando o assunto é coisa séria. Mas isso também mostra que eles estão com medo, pois sabem do poder que temos!! Por isso não podemos nunca parar de lutar e deixar as coisas virarem piadinhas bobas, como eles querem que aconteça. Seu blog permite tornar isto público, então é claro que pode publicar o e-mail. Fico agradecida. Não podemos ficar inertes e nos calar diante destes episódios. Quanto mais pessoas estiverem atentas para não serem feitas de fantoche significa uma grande vitória pra nós!! Obrigada, Ferréz."

lucas disse...

olá ferréz meu nome é lucas tenho 12 sou da 6ªb nós lemos seu texto sobre a biblioteca pq a nossa esta fechada adoramos aquela história.Estamos elaborando um mini-projeto para revitalizar nossa biblioteca que dica o senhor tem para ela abri-lá.
por favor mande respodta ta
abraç0o0o0o0o0o0o0sssssSsSs-*-*-*-*

Jorge José dos Santos Neto disse...

Caro Ferrez,
quero te parabenizar por ser o número um de nossa literaura no Centenário Machado de Assis.

de Jorge Santos,
Por favor responda pelo e-mail:
beicudo_neto@hotmail.com

professora disse...

Hoje eu te mandei um e-mail :)