Blog do escritor Ferréz

Bienal do Livro 2008

Salve,
Eu, Sérgio Vaz, Paulo Lins, e Marcelino Freire, realizamos o encontro Cartografia Literária para o Sesc, dentro da Bienal do livro de São Paulo.
Rolou muitos papos bons, e o Sérgio Vaz tentou me matar de rir com a hístória do Côco, que na moral é a história mais louca que eu já vi na vida. Também não ficou pra traz as histórias do Paulo Lins, e o mais da hora foi a mediação do Marcelino, sem perguntas clichês, e sem apelação. Foi um dos poucos eventos onde agente ficou a vontade de verdade, sorte do público que pode ver e participar de um encontro tão agradável, a todos que participaram nosso muito obrigado, afinal foram anos até agente ver aquelas cadeiras lotadas.
O mais agradável é poder compartilhar a mesa com tanta gente de bom coração e que está na luta sem medo de errar.
As fotos foram roubadas do blog colecionadordepedras.blogspot.com e tiradas pela musa Rose.

Também, gravamos mais cenas para o DVD Literatura e Resistência que está em fase final de montagem.

Bienal de São Paulo 2008. Hoje os eventos periféricos continuam com autógrafos do novo livro de Vaz, Cooperifa, Antropofagia Periférica, e do novo livro de Allan da Rosa pela coleção da Global.

Ferréz

5 comentários:

dulixo disse...

Agradecido mesmo tiu pelas ideias...tamo junto...assim que puder to colando na quebrada para conhecer o projeto...satisfaçao total...paz e gloria...abraço

Tubarao

Festa de Águias disse...

A literatura sempre foi resistência. Sempre foi arma de luta. A mesma, para ambos os lados.

Maria Ester disse...

Oi, estivemos na Bienal neste dia, procuramos incansavelmente pelo local em que estariam. Fiquei muito chateada, mas não localizamos. Ninguém sabia nos informar onde estavam, nem mesmo a Global onde estivemos. Sabíam que estavam lá, pois disseram-nos que o Sérgio Vaz passara por lá deixando uns cartões. Restou-me retornar comprar o livro do Vaz e na segunda-feira relatar aos meus alunos e alunas que não tive o privilégio de assisti-los como havia comentado. Aliás, foi a recomendação que fizeram, "escute tudo professora e se possível conheça os guris que dançam rap lá". Rsrrs, não foi desta vez, mas outras oportunidades com certeza virão. Parabéns pelo evento. Abraço fraterno, Ester.

Luiz Alberto Carvalho, 28, jornalista, disse...

Sua última frase resume a idéia toda: na luta sem medo de errar. Hoje, além do grafite, do rap e do break, a literatura também é da quebrada. Não é mais sonho, nem promessa. É ação concreta! Um abraço e parabéns pela sua trajetória.

Luiz Alberto Carvalho, 28, jornalista, disse...

Sua última frase resume a idéia toda: na luta, sem medo de errar. Hoje, a literatura não é mais sonho, nem promessa. É ação concreta! Rádio, TV e palavras impressas. Um abraço e parabéns pela sua trajetória.