Blog do escritor Ferréz

Alan Moore, o maior.

PORQUE ALAN MOORE É O MELHOR ?
Quem acompanha quadrinhos de qualidade, sabe que existem outros bons escritores além de Moore. Neil Gaiman, Grant Morrison, Garth Ennis, James Robinson, Warren Ellis, Frank Miller e Mark Waid são alguns desses escritores. Então por que considerar Alan Moore o melhor?
Longe de desmerecer o trabalhos destes e de outros grandes autores, aqui vai uma lista de motivos que podem dar uma idéia do que digo:
Moore mostrou ao mundo que quadrinhos não são só pra crianças, mas uma mídia poderosa e respeitável, repleta de possibilidades.
Algumas das mais importantes obras de quadrinhos são de sua autoria: Watchmen, V de Vingança, Miracleman, From Hell e Monstro do Pântano, só para citar.
A percepção do leitor, depois de ler estas (entre outras obras de Moore), amadurece e muda completamente, e nunca mais se lê uma revista em quadrinhos com os mesmos olhos.
A partir de Alan Moore, a importância de quem escreve as histórias passou a ser tão ou mais forte do que a de quem faz os desenhos.
Foi ele que abriu caminho para outros escritores britânicos e que deu origem, junto com Neil Gaiman, a linha Vertigo de quadrinhos adultos.
Moore foi um dos mais empenhados artistas a favor de um sistema mais justo de reconhecimento e de remuneração para os profissionais de um meio onde, por muito tempo, foi ditatorialmente controlado pelas grandes editoras - leia-se DC Comics e Marvel Comics - que exploravam inpiedosamente os verdadeiros criadores das histórias que até hoje as mantém.
E além disso tudo, ele é o escritor mais constante, escrevendo histórias criativas e interessantes sem nunca desrespeitar a inteligência do leitor.

Primeio trabalho de Moore, um fanzine que saiu em 5 edições.
BIOGRAFIA
Alan Moore nasceu em 18 de novembro de 1953 em Northampton, Inglaterra, uma cidade industrial entre Londres e Birmingham. O filho mais velho do empregado de uma cervejaria Ernest Moore e da tipógrafa Sylvia Doreen, a infância e a adolescência de Moore foram influenciadas pela pobreza da sua família e do seu ambiente. Ele foi expulso de uma escola secundária conservadora e não foi aceito em qualquer outra escola. Em 1971 Moore era um desempregado, sem qualquer qualificação profissional.

UM COMEÇO NOS QUADRINHOS

Moore começou a trabalhar com a Embryo, uma revista que tinha publicado com amigos. Isso o fez envolver-se com o Laboratório de Artes de Northampton. Moore encontrou e casou com Phyllis em 1974, tendo eventualmente duas filhas, Amber e Leah.
Em 1979, Moore começou a trabalhar como cartunista para a revista semanal de música Sounds, onde escrevia e desenhava uma história de detetive chamada Roscoe Moscou, sob o pseudônimo de Curt Vile. Eventualmente, Moore concluiu que era um ilustrador fraco e decidiu focalizar seus esforços em escrever ao invés de desenhar. As suas primeiras contribuições foram para a Doctor Who Weekly e o famoso título de ficção ciêntífica 2000 A.D., na qual criou várias séries populares, como A Balada de Halo Jones, SKIZZ e D.R. & Quinch.
Moore trabalhou então para a Warrior, uma antológica revista britânica. Foi neste título que começou duas importantes séries: Marvelman (conhecido nos Estados Unidos como Miracleman) e V de Vingança, o subversivo conto sobre a luta por liberdade e dignidade em uma Inglaterra fascista. Ambas lhe conferiram o British Eagle Awards, como Melhor Escritor de quadrinhos em 1982 e 1983. Desses a América tomou conhecimento.
A VINDA PARA A AMÉRICA
Os talentos de Moore lhe garantiram a sua primeira série americana, A Saga do Mostro do Pântano. Moore reinventou o personagem, enquanto o seu enredo girava em torno de temas pesados (controle de armas, racismo, despejo de lixo nuclear, etc.). Exibindo grande profundidade e perspicácia em seu trabalho, ele demonstrou que podia escrever sobre um largo leque de tópicos e situações. As histórias dele fixaram o passo para o Suspense Sofisticado pelo qual a maioria das HQ's da linha Vertigo da DC opera atualmente. Além de Monstro do Pântano, escreveu também vários outros títulos da DC, como A Legião dos Lanternas Verdes, um anual do Batman e algumas histórias do Super-homem.
WATCHMEN
Em 1986, enquanto a DC Comics estavam reconstruindo seu universo de quadrinhos, Moore escreve Watchmen. Watchmen, junto com o Batman: O Retorno do Cavaleiro das Trevas, de Frank Miller, redefiniu o meio dos quadrinhos, e mudou o tom dos quadrinhos atuais. Watchmen, com seus enredos detalhados e subplots, mostrava um retrato realista dos super-heróis em um mundo que nem os entendiam, nem confiava neles. Considerada por muitos como sendo a maior HQ de super-heróis de todos os tempos, Moore estava se dirigindo ao estrelato. Ele terminou suas histórias para o Monstro do Pântano, completou o storyline de V de Vingança para a DC Comics e escreveu o que possivelmente é a melhor história do Coringa em Batman: A Piada Mortal (com a maravilhosa arte de Brian Bolland). Porém, Moore estava muito infeliz com o fato de não possur os direitos de Watchmen, e ele sentia que não estava recebendo royalties adequados pela série. Além disso, na ocasião havia discussões de implementar um sistema de classificação para as revistas de quadrinhos, o qual Moore era firmemente contra. No final do anos 80, Alan Moore deixou os quadrinhos mais comerciais e populares para trabalhar estritamente para editoras menores e independentes.
ESPÍRITO INDEPENDENTE
Uma vez livre da DC, Moore começou vários projetos. Em 1988, Moore montou a sua própria editora, chamada Mad Love Publishing. Moore começou a trabalhar em um roteiro com o empresário dos Sex Pistols, Malcolm McLaren, chamada Fashion Beast. Ele também começou o trabalho em Big Numbers com artista Bill Sienkiewicz e começou duas séries para a Tabu de Stephen Bissette, Lost Girls (Meninas Perdidas) com a artista Melinda Gebbie, e a série Do Inferno. Do Inferno reconstruiu os assassinatos de Jack, o Estripador em meticulosos detalhes. Moore também fez uma história pessoal chamada A Small Killing (Um Pequeno Assassinato), com o artista Oscar Zarate. Porém, ter a sua própria editora não foi tão bom para Moore. Das séries iniciadas durante este período, só Do Inferno viu sua conclusão.
Moore começou a trabalhar com os quadrinhos da Image, uma nova companhia de quadrinhos dirigida por um grupo de jovens desenhistas muito populares e eventuais (e sofríveis) escritores. Com esta companhia, Moore escreveu 1963, um tipo de compensação para os péssimos roteiros de outros escritores que desembarcavam no meio dos quadrinhos como resultado de Watchmen. Ele também escreveu várias histórias para o personagem Spawn de Todd McFarlane.
Talvez o maior tesouro que aparece sob o selo da Image (e publicado pela Awesome) fosse a reinvenção feita por Moore do personagem Supreme. Supreme foi uma versão mal-finalizada do Super-Homem criada pelo "artista" Rob Liefeld. Moore construiu um personagem que era tanto nostálgico quanto inventivo e o levou aos dias áureos da DC Comics. Depois de um hiato de um ano, provocado por problemas financeiros, a série Supreme foi recentemente retomada, para o deleite de muitos.

O ABC DA VIDA

Atualmente, Moore está trabalhando em várias séries: Tom Strong Adventures (As Aventuras de Tom Strong), The League of Extraordinary Gentlemen (A Liga de Cavalheiros Extraordinários), Supreme: The Return (Supremo: O Retorno), Promethea, bem como várias outras séries em andamento. Os outros projetos de Moore incluem um CD e um livro ou dois... além do seu envolvimento com magia.
Alan Moore vive em Northampton, Inglaterra.

Bibliografia

LIVROS A Voz do Fogo, Conrad Editora (2002) - O excelente (e por enquanto único) livro em prosa escrito por Moore. Imperdível.
HQs GEN 13 e Wild C.A.T.S. 06, Ed. Abril (01/99) - 1 história dos Wild C.A.T.S.
GEN 13 e Wild C.A.T.S. 07, Ed. Abril (02/99) - 1 história dos Wild C.A.T.S.
GEN 13 e Wild C.A.T.S. 08, Ed. Abril (03/99) - 1 história dos Wild C.A.T.S.
GEN 13 e Wild C.A.T.S. 09, Ed. Abril (04/99) - 1 história dos Wild C.A.T.S.
GEN 13 e Wild C.A.T.S. 10, Ed. Abril (05/99) - 1 história dos Wild C.A.T.S.
GEN 13 e Wild C.A.T.S. 11, Ed. Abril (06/99) - 1 história dos Wild C.A.T.S.
GEN 13 e Wild C.A.T.S. 01, Ed. Mythos, (1999) - 1 história dos Wild C.A.T.S.
GEN 13 e Wild C.A.T.S. 02, Ed. Mythos, (1999) - 1 história dos Wild C.A.T.S.
GEN 13 e Wild C.A.T.S. 03, Ed. Mythos, (1999) - 1 história dos Wild C.A.T.S.
Superpowers 21, Ed. Abril (05/91) - 3 histórias do Super-Homem
Liga da Justiça 04, Ed. Abril (04/87) - 1 história com o Vingador Fantasma, onde vemos a melhor versão de uma das suas 4 possíveis origens.
Novos Titãs 04, Ed. Abril (07/86) - 1 história do Monstro do Pântano
Novos Titãs 05, Ed. Abril (08/86) - 1 história do Monstro do Pântano
Novos Titãs 06, Ed. Abril (09/86) - 1 história do Monstro do Pântano
Novos Titãs 07, Ed. Abril (10/86) - 1 história do Monstro do Pântano
Batman 01, Ed. Abril (1987) - 1 história do Monstro do Pântano
Superamigos 22, Ed. Abril (02/87) - 1 história do Monstro do Pântano
Superamigos 23, Ed. Abril (03/87) - 1 história do Monstro do Pântano
Superamigos 24, Ed. Abril (04/87) - 1 história do Monstro do Pântano
Super-Homem 33, Ed. Abril (03/87) - história onde o Monstro do Pântano encontra o Super-Homem
Superpowers 06, Ed. Abril (/86) - 3 histórias do Monstro do Pântano
Superamigos 33, Ed. Abril (01/88) - 1 história do Monstro do Pântano
Superamigos 34, Ed. Abril (02/88) - 1 história do Monstro do Pântano
Superamigos 35, Ed. Abril (03/88) - 1 história do Monstro do Pântano
Monstro do Pântano 01, Ed. Abril (01/90) - 2 histórias do Monstro do Pântano
Monstro do Pântano 02, Ed. Abril (02/90) - 2 histórias do Monstro do Pântano
Monstro do Pântano 03, Ed. Abril (03/90) - 2 histórias do Monstro do Pântano
Monstro do Pântano 04, Ed. Abril (04/90) - 2 histórias do Monstro do Pântano
Monstro do Pântano 05, Ed. Abril (05/90) - 2 histórias do Monstro do Pântano
Monstro do Pântano 06, Ed. Abril (06/90) - 2 histórias do Monstro do Pântano
Monstro do Pântano 07, Ed. Abril (07/90) - 2 histórias do Monstro do Pântano
Monstro do Pântano 08, Ed. Abril (08/90) - 2 histórias do Monstro do Pântano
Monstro do Pântano 09, Ed. Abril (09/90) - 2 histórias do Monstro do Pântano
Monstro do Pântano 10, Ed. Abril (10/90) - 2 histórias do Monstro do Pântano
Monstro do Pântano 11, Ed. Abril (11/90) - 2 histórias do Monstro do Pântano
Monstro do Pântano 14, Ed. Abril (02/91) - 2 histórias do Monstro do Pântano
Monstro do Pântano 16, Ed. Abril (04/91) - 1 história do Monstro do Pântano
Monstro do Pântano 18, Ed. Abril (06/91) - 2 histórias do Monstro do Pântano
Monstro do Pântano 19, Ed. Abril (07/91) - 2 histórias do Monstro do Pântano
Watchmen 01, Ed. Abril - primeira impressão (11/88)
Watchmen 02, Ed. Abril - primeira impressão (12/88)
Watchmen 03, Ed. Abril - primeira impressão (01/89)
Watchmen 04, Ed. Abril - primeira impressão (02/89)
Watchmen 05, Ed. Abril - primeira impressão (03/89)
Watchmen 06, Ed. Abril - primeira impressão (04/89)
Watchmen edição encadernada, Ed. Abril (1989)
Watchmen 01, Ed. Abril - segunda impressão (02/99)
Watchmen 02, Ed. Abril - segunda impressão (03/99)
Watchmen 03, Ed. Abril - segunda impressão (03/99)
Watchmen 04, Ed. Abril - segunda impressão (04/99)
Watchmen 05, Ed. Abril - segunda impressão (04/99)
Watchmen 06, Ed. Abril - segunda impressão (05/99)
Watchmen 07, Ed. Abril - segunda impressão (05/99)
Watchmen 08, Ed. Abril - segunda impressão (06/99)
Watchmen 09, Ed. Abril - segunda impressão (06/99)
Watchmen 10, Ed. Abril - segunda impressão (07/99)
Watchmen 11, Ed. Abril - segunda impressão (07/99)
Watchmen 12, Ed. Abril - segunda impressão (08/99)
V de Vingança 01, Ed. Globo (1989)
V de Vingança 02, Ed. Globo (1989)
V de Vingança 03, Ed. Globo (1989)
V de Vingança 04, Ed. Globo (1989)
V de Vingança 05, Ed. Globo (1989)
V de Vingança, edição encadernada, Ed. Globo (1990)
V de Vingança 01, Via Lettera Editora (1998)
V de Vingança 02, Via Lettera Editora (03/99)
Do Inferno 01, Via Lettera Editora (04/2000)
Do Inferno 02, Via Lettera Editora (02/2001)
Do Inferno 03, Via Lettera Editora (11/2001)
Do Inferno 04, Via Lettera Editora (12/2001)
Miracleman 01, Ed. Tannos (1989)
Miracleman 02, Ed. Tannos (12/89)
Miracleman 03, Ed. Tannos (1990)
Miracleman 04, Ed. Tannos (1990)
A Piada Mortal, Ed. Abril (04/89) - primeira impressão
Série Graphic Novel 05: A Piada Mortal, Ed. Abril (12/91) - segunda impressão
Batman: A Piada Mortal, Ed. Abril (04/99) - terceira impressão
Spawn 08, Ed. Abril (10/96)
Spawn 36, Ed. Abril (05/98)
Violador 01, Ed. Abril (03/97)
Violador 02, Ed. Abril (04/97)
Violador 03, Ed. Abril (05/97)
Spawn: Feudo de Sangue 01, Ed. Abril (02/98)
Spawn: Feudo de Sangue 02, Ed. Abril (03/98)
Vampirella/Drácula: O Centenário, Ed. Metal Pesado (10/97) - História O Novo Europeu.
Obras Primas Vertigo: Monstro do Pântano, Ed. Metal Pesado (04/97) - reimpressão em formato americano do arco de histórias do Monstro do Pântano intitulado lição de anatomia, publicadas em Novos Titãs # 04-07.
A Balada de Halo Jones, Pandora Books Editora Ltda (02/2003) - Edição P & B, em formato livro, apresentando os livros I, II e III escritos por Moore para a 2000 A.D.
Monstro do Pântano, Volume I, Brainstore Editora (10/2002) - Impecável e luxuosa edição, em magnífico P & B com tons de cinza, formato americano. Reune as histórias originalmente publicadas no Brasil em Novos Titãs 04 - 07 e Superamigos 22 - 24.
Monstro do Pântano, Volume II, Brainstore Editora (10/2002) - Impecável e luxuosa edição, em magnífico P & B com tons de cinza, formato americano. Reune as histórias originalmente publicadas no Brasil em Batman 01, Super-Powers 06, Superamigos 33 - 34, uma das histórias publicadas em Monstro do Pântano 06 (a que reapresenta a história original do Monstro do Pântano, a qual, por algum motivo, a Abril pulou da sequência), além de uma história inédita no Brasil, intitulada Pog, que é um verdadeiro achado entre tantas histórias de destaque desta edição.
Tom Strong/Top Ten 01, Pandora Books Editora Ltda (05/2002)
Tom Strong/Top Ten 02, Pandora Books Editora Ltda (08/2002)
Tom Strong/Top Ten 03, Pandora Books Editora Ltda (12/2002)
Tom Strong - volume 1, Pandora Books Editora Ltda (05/2003) - encadernação das três primeiras histórias publicadas pela Pandora Books. Não contém as histórias do Top Ten.
Arquivos X-Men: Capitão Bretanha 01, Pandora Books Editora Ltda (12/2001) - Somente as duas últimas histórias desta edição são de Alan Moore.
Arquivos X-Men: Capitão Bretanha 02, Pandora Books Editora Ltda (03/2002)
Arquivos X-Men: Capitão Bretanha 03, Pandora Books Editora Ltda (02/2003)
Arquivos X-Men: Capitão Bretanha 04, Pandora Books Editora Ltda (04/2003)
Arquivos X-Men: Capitão Bretanha - Volume 1, Pandora Books Editora Ltda (04/2003) - encadernação das duas primeiras edições da série.
As Aventuras da Liga Extraordinária 01, Pandora Books Editora Ltda (04/2001)
As Aventuras da Liga Extraordinária 02, Pandora Books Editora Ltda (06/2001)
As Aventuras da Liga Extraordinária 03, Pandora Books Editora Ltda (08/2001)
As Aventuras da Liga Extraordinária, Pandora Books Editora Ltda (2002) - Edição encadernada da minissérie.
Alan Moore - Super-Homem, Opera Graphica Editora (2002) - Edição em P & B, formato magazine, que apresenta a história O Homem que Tinha Tudo, originalmente publicada no Brasil na revista Super-Powers 21.
Alan Moore - Super-Homem, Opera Graphica Editora (2003) - Edição em P & B, formato magazine, que apresenta a história O Adeus, originalmente publicada no Brasil na revista Super-Powers 21 com o título O que Aconteceu com O Homem de Aço.
Alan Moore - Super-Homem, Opera Graphica Editora (2002) - Edição colorida, formato americano, que apresenta o encontro do Homem de Aço com o Monstro do Pântano, originalmente publicada no Brasil na revista Super-Homem 33. Esta edição apresenta um novo e excelente trabalho de colorização, feito digitalmente.Alan Moore: Supreme, Parte 1 de 3. Brainstore Editora (Junho/2003).
ENTREVISTAS Vampirella/Drácula: O Centenário, Ed. Metal Pesado (10/97) - Drácula, Poetas de Cemitério e Uma Entrevista com Alan Moore, 5 páginas.
Wizard Brasil 12, Ed. Globo (07/97) - CONTOS DA CRIPTA, 5 páginas.
Arquivos X-Men: Capitão Bretanha 03, Pandora Books Editora Ltda (02/2003) - A Morte de Miracleman, 1 página. Trecho da entrevista que Moore deu à George Khoury para o livro Kimota - The Miracleman Companion, onde Moore explica a inclusão do personagem numa história da Marvel Comics.
INTRODUÇÕES Obras Primas Vertigo: Monstro do Pântano, Ed. Metal Pesado (04/97) - Uma excelente introdução de 3 páginas, onde Moore fala sobre o gênero de horror americano e sua conexão com o Monstro do Pântano.
V de Vingança edição encadernada, Ed. Globo (1990) - Introdução na segunda capa.
V de Vingança 01, Via Lettera Editora (1998) - Introdução de 1 página, é a mesma que aparece na edição encadernada de V de Vingança da Editora Globo, mas com nova tradução.
A Casa do Fim do Mundo, Opera Graphica Editora (2002) - Introdução de cinco páginas sobre o escritor original do conto A Casa do Fim do Mundo, e não sobre essa quadrinização do conto.
A Balada de Halo Jones, Pandora Books Editora Ltda (02/2003) - Introdução de 1 página para o livro I.
A Balada de Halo Jones, Pandora Books Editora Ltda (02/2003) - Introdução de 2 páginas para o livro II.
A Balada de Halo Jones, Pandora Books Editora Ltda (02/2003) - Introdução de 2 páginas para o livro III.
Monstro do Pântano, Volume I, Brainstore Editora (10/2002) - Introdução de 2 páginas, a mesma publicada originalmente no Brasil em Obras Primas Vertigo: Monstro do Pântano, da Metal Pesado Editora.
TEXTOS Miracleman 02, Ed. Tannos (12/89) - M******MAN: A Verdade Real, 3 páginas; Moore nos conta sobre as origens de Miracleman e sua participação na adaptação do herói aos anos 80.
Do Inferno 01, Via Lettera Editora (04/2000) - Apêndice de 28 páginas onde Moore enumera todas as referências bibliográficas, geográficas e históricas utilizadas por ele para compor sua visão sobre o mito de Jack, O Estripador, para os capítulos desta edição.
Do Inferno 02, Via Lettera Editora (02/2001) - Apêndice de 13 páginas onde Moore enumera todas as referências bibliográficas, geográficas e históricas utilizadas por ele para compor sua visão sobre o mito de Jack, O Estripador, para os capítulos desta edição.
Do Inferno 03, Via Lettera Editora (11/2001) - Apêndice de 14 páginas onde Moore enumera todas as referências bibliográficas, geográficas e históricas utilizadas por ele para compor sua visão sobre o mito de Jack, O Estripador, para os capítulos desta edição.
Do Inferno 04, Via Lettera Editora (12/2001) - Apêndice de 6 páginas onde Moore enumera todas as referências bibliográficas, geográficas e históricas utilizadas por ele para compor sua visão sobre o mito de Jack, O Estripador, para os capítulos desta edição.
V de Vingança 02, Via Lettera Editora (03/99) - Por Trás do Sorriso Pintado, 11 páginas; aqui, Alan Moore desvenda as circunstâncias que levaram a criação de V de Vingança. Muito, muito interessante.
MATÉRIAS SOBRE MOORE E SEUS TRABALHOSHQ Press 01, Via Lettera Editora (06/99) - A Volta de Watchmen ao Brasil, 5 páginas (Obs.: Nessa mesma revista, na seção notícias, há uma nota falando sobre o universo ABC, de Moore).
Sandman 05, Ed. Globo (03/90) - V de Vingança, A Gênese,4 páginas.
Bem, é isso por enquanto. Essas são as revistas que eu conheço com histórias, textos e introduções escritas por Moore e publicadas no Brasil.
Em breve chega as telas, o filme da grande obra de Moore, Watchmem, veremos se desta vez o autor apoia o filme, já que no V de vingança ele não deu seu aval.

Ferréz/com informações do blog de Moore no Brasil.

4 comentários:

Robson Canto disse...

Recife – Mar que Arrebenta (Para Marcelino Freire)

Por R.Canto.

As ondas quebravam na praia, fazendo um som agradável. Eu tinha acabado de sair de um cabaré da zona portuária do Recife. Sentia-me um pouco bêbado por causa da pinga.
Sentei na areia da praia e fiquei namorando o horizonte. Longe.
O sol quente. Trinta e três ou quatro graus. Meu bronzeado estava bonito. Mais uma semana aqui no Recife eu virava negão.
Um navio cargueiro apitava anunciando sua saída rumo ao alto mar. Senti vontade de entrar naquele navio, e ir pra bem longe do Brasil.
Itália, França, Congo, Nigéria, África do Sul, Cabul.
Vieram uns meninos correndo jogando bola. Um pouco mais atrás um outro soltando uma pipa vermelha.
Apesar da bela paisagem, eu estava angustiado, na manhã seguinte eu deixaria aquele paraíso, para retornar ao inferno paulistano.
A terra da garoa, com a sua população apressada, mesquinha, robôtizadas, preconceituosas e desesperadas por dinheiro. A praga universal.
A praga que faz com que as pessoas vivam num mundo fantasioso e fantasmagórico causado pela imagem da besta: à televisão.
Senti um nó na garganta. Um nó digno de dó.
Eu não queria voltar pra São Paulo. Eu não quero ver essas pessoas fingidas. Não quero voltar.
Levantei e fui até a água. Lembrei-me de Iemanjá. Perdoe-me Iemanjá! Mas eu não quero voltar pra São Paulo! Deixe-me ficar aqui. Entrei mar adentro. Deixei a água ficar até o pescoço. Veio uma onda não muito grande, mas suficiente para levar-me ao fundo do oceano atlântico. Vi um rosto de uma mulher vestida de azul cor do céu. Parecia uma sereia, sorri para ela. Ela veio e pegou em minhas mãos.
Comecei a perder os sentidos, nada mais fazia sentido...
Acordei dois dias depois no hospital público do Recife. À enfermeira disse que fui salvo por uma banhista. Mas tenho certeza que era ela à rainha do mar.

Robson Assis disse...

V de Vingança é demais. Uma dessas coisas que mudam sua percepção sobre a vida.

Aline Ahmad disse...

Oi, Ferréz!

Já assisti a uma palestra sua no Itaú Cultural, lá comprei um livro seu. Agora tanto tempo depois peguei para reler um livro de Sérgio Vaz, que comprei há um ano, e li o seu prefácio fantástico. Gostaria até de decorar seu texto. Aliás pretendo fazer isso ainda, parabéns!

Tenho pensado cada vez mais sobre assuntos que sempre estiveram distantes da minha realidade. É uma pena que ainda sejam apenas pensamentos... Peço desculpas pela minha falta de coragem. Pertenço a uma classe que não faz nada e me culpo por isso. Não sei por onde começar.

Trabalho na escola de minha família. Lá incentivamos o esporte e a música. Vinte por cento de nossos alunos são bolsistas de comunidades carentes. Muitos passam o dia na escola treinando, aprendendo arte, etc. É um trabalho que me motiva, mas ainda é muito pouco.

Às vezes tenho crise de choro porque me sinto uma "patricinha" idiota. Nem sei porque estou desabafando essas coisas...

Com admiração,

Aline***

EvAnDrO vEnAnCiO disse...

Mais uma vez, parabéns Ferrez! Eu adoro quadrinhos, principalmente da autoria da safra britânica, V de Vingança é um clássico de como resistir e combater o sistema e tudo matéria é mais do que completa!
Abraços,
EvAnDrO vEnAnCiO
http://www.evenancio.com