Blog do escritor Ferréz

8 anos depois...


O Lançamento foi em julho de 2000, no salão não cabia mais gente, era um mar de comunidades para ver o livro Capão Pecado ser lançado.
Amigos, desconhecidos, parentes, gente vinha de todos os lugares para prestigiar o primeiro livro retratando o Capão Redondo, suas tretas e suas alegrias, tudo romanceado por um menino que sonhava em ser escritor.
O que passei para escrever o livro, virou história do passado, as tirações, piadas, se for lembrar mesmo dá raiva, mas hoje posso entender, com tanta baixa estima, desemprego, fome, tiro, falar de literatura era coisa de louco mesmo.
bom, depois de oito anos o sonho continua, o Capão Pecado está chegando em todas as escolas esse mês, pelo ministério da educação, FNDE.
O mais legal é que não é nenhuma versão compacta, é o mesmo livro lançado pelo editora Objetiva.
São 25.000 livros, imagina quantos muleques vão passar as mãos pelas páginas que escrevi, loko pra carai, pra quem me falou que eu tava chapando, agora é capaz de pegar o filho lendo o trampo.
Umas pessoas que foram retratadas, gente que passou desta, sem deixar vestígios, a não ser no livro, uma época que deixou saudade, nada de crime organizado.
A quebada mudou muito em 8 anos, agora temos sarau, temos gente que nos ouve, temos vários escritores, poetas, e rimadores em geral,e tudo isso é nosso porra! Num foi ganhado, foi tomado, de um em um menino, de uma a uma menina, que via nos nossos versos algo pra se espelhar. Isso dá um orgulho monstro, e quando passo pelo que estou passando eu me agarro nisso tudo e penso em ir mais a frente, sabe porque? por que não tem mais limite, agente descobriu isso, e agora fudeu.
Se isso não revolução, o que é?
esses dias trombei o Zóião, um amigo aqui da favela Santiago, que cresceu comigo.
ele chegou da escola, comprimentou todo mundo que estava na roda e já foi falando.
- Num é tiração? Eu vou pra escola, e o livro que agente vai estudar é desse cara aqui, num basta isso, e eu falo pra professora, que ele é meu amigo, e que vive na favela lá com agente, e ela saiu rindo, falando pra eu parar de mentir.
Não é mentira não professora, agente que escreve a literatura marginal, somos feitos de FAVELA.
Ferréz/num frio montro, mas aquecido pelas páginas da vida.

8 comentários:

dunhamcgragor disse...

Vai se fuder... Como c pode escrever tão bem?

Chega a dar raiva!!!

Sabe o que eu mais quero? Ver cada muleque desse meu país lendo algo assim... Mas são poucos os que podem... Muito poucos sabem ler e entender o que leêm, Ferrez...

Mas isso tá mudando... Sonho com o dia em que um moleque do interior da Paraíba não só vai ler seu livro, mas vai escrever também...

E o livro desse moleque vai cair nas mãos de um capiau igual eu que vai comparar o livro do Paraibaninho, com o seu livro e vai escrever um terceiro...

E esse terceiro vai virar, nas mãos de um amazonense, um quarto, e este, nas de um gaúcho, um quinto...

E dae teremos um país de verdade...

Força Ferréz!

Nossa revolta está contigo!!!

Leia O Povo Brasileiro - a formação do povo brasileiro, do Darcy Ribeiro... Se é que já não leu e assista o filme Z do Costa-Gravas, se é que já não assistiu...

Abraço...

luta diária disse...

É isso ae ferrez muito bom mesmo.
Rafael

Cibele disse...

Uma pena a professora do seu amigo não conhecer seu livro, já trabalhei com ele junto a adolescentes e foi muito legal. Tomara que os professores saibam tirar o melhor da leitura, porque os alunos se ligam mesmo no que você escreve.

Robson Canto disse...

leia no blogger:
www.robson-canto.blogspot.com
Capão 8 anos depois por R.Canto

Marcelo disse...

Parabéns mano. Isso sim é que é um exemplo de Revolução... Tomara que seu livro chegue logo na minha escola (sou professor em Campinas). Ah, e que a biblioteca fique mais aberta.
Um abraço

Felipe Correa disse...

Porra Ferréz parabéns cara !
Adorei seu livro , peguei e não consegui largar velho , li de uma sentada no sofá , é foda , foda mesmo , parabéns cara.
Infelizmente na biblioteca da minha escola só tinha o Capão Pecado , os outros vou ter que adquirir pela internet mesmo , me sugere algum site seguro ?
Gostaria também que você me indicasse alguns escritores no seu estilo , tipo Sergio Vaz , João Antonio e outros ditos "escritores marginais" .Quais os que mais te influenciaram ?
Curto pra caralho Bukowski , Palahniuck , Kafka e Rubem Fonseca (meu escritor brasileiro favorito )
Estou doido para conhecer o trabalho do Fante , de aniversario vou me presentear com "Pergunte ao Pó" ou algum livro seu , vai depender da disponibilidade deles.
Um abraço velho.
Continue assim humilde como sempre , Paz .

Lenira Brisch disse...

O talento em jogar com as palavras é a arte da revolução que fazes Ferrez!
Bendigo tua chefe, aquela que editou teu primeiro livro. Tem foto dela aí? Essa merece ser narrada e cantada.
Cada vez que venho a este blog, saio mais encantada!!! Parabéns e até 14/08, aqui em Novo Hamburgo

Lenira Brisch disse...

O talento em jogar com as palavras é a arte da revolução que fazes Ferrez!
Bendigo tua chefe, aquela que editou teu primeiro livro. Tem foto dela aí? Essa merece ser narrada e cantada.
Cada vez que venho a este blog, saio mais encantada!!! Parabéns e até 14/08, aqui em Novo Hamburgo