Blog do escritor Ferréz

Terceiro Encontro

Texto feito para abertura do terceiro encontro de Literatura Marginal

Salve
Resolvi escrever essas palavras, pois de cabeça ta foda, estou escrevendo romance novo e vocês sabem, fica um monte de personagem azucrinando.
Bom, eu sempre sonhei com outro mundo, acho que não sou diferente de nenhum de vocês que estão aqui.
Foi por isso que comecei a por no papel uma tentativa de ter meu próprio mundo, assim pelo menos de mentirinha eu iria fazer do meu jeito.
Foram muitos anos de gozação, diziam que eu estava ficando louco, que todo mundo que estuda vira maluco.
Uns perguntavam se eu estava virando crente, afinal só vivia com livros nas mãos, outros se eu estava tentando virar professor.
Do gibi pro livro foram alguns anos, e agora estou com ambos.
Sempre acreditei nos heróis, pois eu precisava deles para continuar sonhando com esse mundo melhor, talvez por isso os gibis estão na minha vida, e os brinquedos que compro até hoje, me fazem companhia quando escrevo pela madrugada a dentro.
Mas eu consegui, eu vivo hoje uma realidade em que um dia eu sonhei, tantos versos lidos, tantos textos xerocados, tantos fanzines, lançamentos. Mas hoje o sonho é real.
Eu levanto, e na minha caixa postal sempre tem vários recados, manos e minas que ligam de longe para saber se ainda vai ter mais alguma edição da revista Literatura Marginal, Alagoas, Rio, Macapá, Bahia, Curitiba, Pernambuco, Santa Catarina, Pernambuco, todos escritores que lutam por espaço.
Ao sair de casa, vou a padaria e junto com o café, recebo um texto escrito em guardanapo, o balconista fez alguns versos e quer me mostrar.
Na hora do almoço, paro na metade pois um cara senta ao meu lado na mesa e me mostra o roteiro de um filme que ele está fazendo.
Bom, ai vou pra barraca da tia ray, tomar uma tubaina e comer um peixe, e não é que ela também escreve e quer me mostrar alguns textos?
Já no outro dia sou parado pelo Sidney, que é professor de natação e lutador de Jiu Jitsu e ele saca vários papeis com poesias, e pede minha opinião, logo depois ao voltar para a loja o primeiro cliente me chega com um caderno, começa a folhear e diz que é um romance.
Pra resumir a fita, eu consegui viver no mundo que eu sempre sonhei, fiz minha pequena parte e hoje com o terceiro encontro, tento ao lado de tanta gente de talento homenagear outro mano que acreditou tanto na Literatura Marginal, tanto que passou de rapper para escritor, O preto Ghóez está aqui hoje, assim como Plínio Marcos, João Antônio, Carolina Maria de Jesus, Antônio Alcântara, Solano Trindade, Lima Barreto, e juntos vamos comungar, vamos somar pela única coisa que realmente importa, a arte.

O que está acontecendo? O que esse povo da periferia pensa que está fazendo? Ferréz é doido? Sérgio Vaz num tem vergonha? Allan da Rosa num se toca? Buzo num aprende? Será que esse povo, cheio de Elizandras, Akins, Ridson, Gatos Pretos, Maurícios, Negredos, Binhos, Márcios, Pezões, Helbers, Carlos Silvas, Marcelinos Freires, Mavortisircs, Besos, Harumis, Robertos Ferreiras, Jairos, Sales, Roses, Dinhos, Josés Netos, Casulos, Timbós, Bonés, Augustos, Lourivais, Versões populares, Batidões, Mauricios Marques, Ertons Moraes, Saldanhas, Jorges, Sidneys, Aices, Souths, Ticos, acham que vão mudar algo?
Senhoras e senhores esse é o terceiro encontro de Literatura Marginal, sejam bem vindos a nova cara da periferia.
***
O encontro realizado no dia 22 de Dezembro na barraca do Saldanha, foi um enorme sucesso, teve a participação surpresa de Arnaldo Antunes, e também a grande presença de Miriam a companheira de Ghóez e mãe de seus dois filhos, além de dezenas de poetas, rappers e escritores.
Agora, só resta agradecer a presença de quem somou, declamou, se expressou e participou desse evento, onde de forma humilde tentamos homenagear nosso grande amigo e escritor Preto Ghóez.
Fica a frase que a Míriam falou por último. - fico muito feliz de estar aqui, vendo essa homenagem num espaço que é a cara do Ghóez.
Nóis por nóis até o fim da jornada, quem não junta... espalha.
Ferréz.

5 comentários:

disse...

Oi Ferréz. Te desejo um ótimo ano novo! Que a literatura marginal continue crescendo bastante em 2008, despertando a vocação literária da nossa juventude. Abraço!

Rogerio Pixote disse...

Infelizmente não pude ir, fica na imaginação.

cabeçao disse...

ola ferrez meu nome e fernando e eu sou seu maior fã e leitor de seus livros um abraço e tudo de bom

cabeçao disse...

ola ferrez meu nome e fernando e moro no varginha sou seu mairor fã e leitor de seus livros um abraço e fique com deus

led skate/rock disse...

Olá Ferrez,

sou Sonia, tenho uma loja no shopping Campo limpo e uma na galeria borba gato alias onde vc vai abrir uma loja gostaria de saber se vc me autoriza vender pelo menos bonés aqui no shopping pois estamos com um projeto de unir forças e unir as tribos do rock com as tribo do hip hop.
meu tel é 21443627
Aguardo resposta.
Obrigada