Blog do escritor Ferréz

Os órfãos de Dona Néia. (Ferréz)

Os órfãos de Dona Néia.
Dona Néia era velha.
Os adultos chamam os velhos de idosos, é politicamente correto.
Isso só não muda o tratamento ruim que os adultos dão aos velhos.
Tratam mal e respeitosamente os chamam de idosos.
Os adultos esquecem que foram crianças.
Os adultos fingem não entender que serão idosos.
Crianças são chamadas de pequenas.
Assim como os anões que também são chamados de pequenos.
Crianças quando vão comprar alguma coisa não são atendidas.
Idosos quando querem descer do ônibus tem que mostrar uma carteirinha.
Um adulto tem que olhar e dizer para atender as crianças.
Um adulto tem que olhar e autorizar para que o Idoso use a carteirinha.
Crianças não tratam os idosos como velhos.
Crianças tratam todos os idosos como avós.
Dona Néia era uma idosa.
Todo dia ela suba uma ladeira, andava por duas ruas e mesmo que sua perna doesse, não parava.
Pessoas velhas tem dores no corpo.
Crianças não tem dores, só quando caem.
Quando se brinca com uma criança ela esquece a dor e para de chorar.
Ninguém brinca com um idoso quando ele chora.
Dona Néia tinha uma filhinha, que cresceu e esqueceu dela.
Essa filhinha cresceu e teve um filho.
O neto de Dona Néia não esqueceu dela.
Dona Néia tem dores, mas o rosto não demonstra.
Crianças demonstram tudo que sentem.
Dona Néia conversa com as crianças pela grade.
Elas dão muita atenção e sorriem.
Os sorrisos das crianças são sinceros.
Depois daquele dia Dona Néia e as crianças conversavam todos os dias.
A ladeira não cansa mais, porque lá no auto estão as crianças.
Dona Néia leva balas, ganha beijos na bochecha através da grade.
Crianças negras, brancas, loiras, brincam juntas.
Adultos gostam de separar por cor.
Idosos entendem melhor o mundo.
Naquele dia o sol estava forte.
O sol age diferente numa criança e num idoso.
Os adultos não vêem o sol, eles tem óculos escuros, vidros fumes e cortinas.
Crianças enxergam melhor o mundo.
Dona Néia sobe a ladeira, um adulto se aproxima.
A boca do adulto se mexe, e ele diz que não é bom fazer amizades com essas crianças.
Dona Néia pergunta ao adulto porque.
Dona Néia começa a sentir dores novamente, pois quando sobe a ladeira não para mais para ver as crianças.
Eles podem se apegar e se iludir, e isso não pode acontecer, porque aqui é um orfanato, diz o homem.
Dona Néia sai, mas não tem mágoas, sabe que ele não tem mais a inocência e nem a sabedoria.
É apenas um adulto.

3 comentários:

blequimobiu disse...

http://minhascrises.blogspot.com/

pentesiléia disse...

"Os canalhas também envelhecem".Quero pensar que a D. Néia seja alguém realmente merecedora de carinho,acho que os velhos não devem mesmo ficar resignados a esperar a morte.Mas quero lembrar,por experiência própria, que "Pinochet" envelheceu, assim como "Figueiredo".Que por detrás de uma solidão pode estar alguém que não merece carinho de ninguém, alguém que pode ter usado seus filhos como mercadoria, que possa ter mentido, enganado,trapaceado, por interesses próprios,e que cobre o que nunca foi capaz de dar... amor, carinho.Constroem um monstro, depois querem retribuição?.Felismente não sou monstro, tive ajuda de "estranhos".Só quero lembrar que existe muita gente ruim...incluindo velhos!!!Também não gosto de pessoas que tratam os velhos com infantilidade, como se fossem assexuados, coitados. Gostaria de ver uma velhice digna.Inclusive a minha, que sei que não vai ser.Quero velhos como Paulo Autran, como D. Néia, como Paulo Autran, Gabriel Garcia Márquez...
as sei que para os pobres não é assim, então seja digno, para poder reclamar dignidade sempre!!!

Leandro disse...

Belo texto!
Simples e direto, como a realidade.
É uma pena que a hegemonia W.A.S.P.(White-Anglo-Saxon-Protestant.)também tenha sido importada ganhando sua versão tupiniquim através do privilégio do Macho-Adulto-Branco. Mas, eu acredito que textos como este e sensibilidades como a nossa são capazes de alterar um pouco esta triste realidade.
Parabéns!