Blog do escritor Ferréz

Antônio Fraga mais marginal impossível.



Salve,

to escrevendo esse texto porque me senti na obrigação de contar um pouco mais sobre esse grande escritor.
Antônio Fraga, (1916-1993) é autor da novela Desabrigo e do poema dramático Moinho (1957) mas trabalhava mesmo como lanterninha, auxiliar de cozinha, jornalista, agitador cultural, editor, ou seja ele fez de tudo um pouco, ou seja o que vivemos hoje o cara já tinha vivido a muito tempo, e o impressionante é que nada mudou nas letras desde lá.
Criou com Antônio Olinto e Ernandes Soares a editora Macunaína que teve vida curta.
o autor morreu pobre e esquecido e só em 1999 a pesquisadora Maria Célia Barbosa Reis da silva conseguiu coordenar a publicação de outro livro do autor, chamado Desabrigo e outros trecos que trazia nessa edição vários textos inéditos do autor.
Na Literatura Marginal, é o cara mais esquecido dessa linha.
Até João Antônio e Plinio tiveram mais destaque que ele. mas se você quer saber sobre a raiz das letras marginais tem que ler esse cara. No livro Cenas da favela, uma antologia organizada por Nelson de Oliveria, que falei citei num post logo abaixo, tem trechos do livro Desabrigo que depois fo publicado pela editora Relume Dumará em 1999.
Nele você já sente a pegada de rua que o autor tem.
bom...fica ai o toque, quem quiser é só correr para saber mais.

Abraços Ferréz

13 comentários:

Doney disse...

Ferréz, acabei de ler um texto sobre a 1daSul na revista Cartacapital, numa boa reportagem (apesar de não ser grande) sobre Capão Redondo e a sua luta.
Olha, eu escrevo algumas coisas, nada relevante, mas digo-lhe de todo coração: receber reportagem elogiosa da revista que é, na minha singela opinião, a do maior jornalista brasileiro (engraçado que ele tem origem italiana), é realmente de algo de se orgulhar.
Mino Carta (www.blogdomino.blig.com.br), juntamente com Paulo Henrique Amorim (www.conversa-afiada.ig.com.br), Luis Nassif (www.luisnassif.blig.ig.com.br), Marina Amaral, Natalia Viana, e mais alguns poucos, compõem a nata do jornalismo brasileiro. Àquilo que pode se chamar de jornalismo, aliás.
Como se informar bem é tarefa muito, muito árdua, ser bem retratado justamente por quem é um JORNALISTA, é um prêmio.

Pedro disse...

Eu tenho este livro, o "Desabrigo e outros trecos". Se não me engano, paguei 10 reais por ele nas Lojas Americanas. Estilo originalíssimo do Fraga. Pura oralidade, escrito praticamente em gírias, um achado lingüístico inovador. Um estilo que depois João Antônio aperfeiçoaria brilhantemente em contos como "Paulinho Perna Torta" ou "Dedo-Duro". Oralidade e originalidade que hoje está presente nas letras de rap ou como nos sambas brilhantes interpretados pelo saudoso Bezerra da Silva.
Sim, sim, Antônio Fraga é um pioneiro, e como ele mesmo dizia "não tenho de modo nenhum que dar satisfações a qualquer sacanocrata, não acha?"
Sem dúvida uma ótima indicação.
Abraços, Ferréz!

Pedro disse...

Eu tenho este livro, o "Desabrigo e outros trecos". Se não me engano, paguei 10 reais por ele nas Lojas Americanas. Estilo originalíssimo do Fraga. Pura oralidade, escrito praticamente em gírias, um achado lingüístico inovador. Um estilo que depois João Antônio aperfeiçoaria brilhantemente em contos como "Paulinho Perna Torta" ou "Dedo-Duro". Oralidade e originalidade que hoje está presente nas letras de rap ou como nos sambas brilhantes interpretados pelo saudoso Bezerra da Silva.
Sim, sim, Antônio Fraga é um pioneiro, e como ele mesmo dizia "não tenho de modo nenhum que dar satisfações a qualquer sacanocrata, não acha?"
Sem dúvida uma ótima indicação.
Abraços, Ferréz!

Anderson disse...

Eh Ferrez, blz?
Ow posta alguma coisa do kra aí pra gente matar a curiosidade.
Braço,
Anderson

luana vignon disse...

valeu a dica, eu não conhecia, realmente muito bom, joão antônio com certeza bebeu dessa fonte, robei essa foto pro meu blog e descolei um trecho muito bom. grande abraço.

Maria Célia disse...

Eu sou Maria Célia Barbosa Reis da Silva, pesquiso Fraga desde 1986. Conheci-o. Conversamos muito, mas, confesso, era muita informação. Fraga era uma corredeira: falava sem parar e as histórias jorravam em versões que variavam de acordo com a platéia. Perambulei com ele por um Rio coberto pela poeira dos desmontes e do tempo. Conheci alguns de seus amigos: Antônio Olinto, Paulo Mercadante, Eucanaã Ferraz, Hélio de Assis, Walmir Martins Ribeiro e tantos mais. Li muitas obras recomendadas por ele.
No próximo,sob o patrocínio da FAPERJ, editado pela GARAMOND, sai uma biografia, entre o tênue véu que separa a vida da ficção, sobre Frga, sua obra, a cidade do Rio de Janeiro, a Literatura, a vida cultural do Rio, a política, os intelectuais com os quais esbarrou nas esquinas. Em agosto, outro livro de Fraga, com algumas novelas de inéditas, será publicado pela José Olympio. Há uma conversa apresentação minha. E a mais Frga em versos por aí.
Ferrez, obrigada pelo comentário. Você anda na minha mira. Gosto da margem em que você está. Ela me é conhecida e agradável.

Maria Célia disse...

Eu sou Maria Célia Barbosa Reis da Silva, pesquiso Fraga desde 1986. Depois de 1993, ano em que ele encantou-se, organizo seu espólio literário no Arquivo-Museu de Literatura Brasileira da Fundação Casa de Rui Barbosa. Conheci-o em 1986, num boteco de Nova Iguaçu. Conversamos muito, mas, confesso, era muita informação. Fraga era uma corredeira: falava sem parar e as histórias jorravam em versões que variavam de acordo com a platéia. Perambulei com ele por um Rio coberto pela poeira dos desmontes e do tempo. Ele apresentou-me alguns de seus amigos: Antônio Olinto, Paulo Mercadante, Eucanaã Ferraz, Hélio de Assis, Walmir Martins Ribeiro e tantos mais. Li muitas obras recomendadas por ele.
No próximo mês,sob o patrocínio da FAPERJ, editado pela GARAMOND, sai uma biografia, entre o tênue véu que separa a vida da ficção, sobre Fraga, sua obra, a cidade do Rio de Janeiro, a Literatura, a vida cultural do Rio, a política, os intelectuais com os quais esbarrou nas esquinas. Em agosto, outro livro de Fraga, com algumas novelas de inéditas, será publicado pela José Olympio. Há uma apresentação minha. E há mais Fraga em versos por aí.
Ferrez, obrigada pelo comentário. Você anda na minha mira. Gosto da margem em que você está. Ela me é conhecida e agradável.

Maria Célia disse...

Oi, Ferrez,
Acabou de sair o novo livro de Antônio Fraga. Desabrigo e outras histórias. São elas: as novelas- Acalanto, O louva-a-deus; contos- O estofo dos sonhos,Crepuscucar, O galante jacaré, O mensageiro da noite. E ainda Desabrigo,cuja edição da Relume-Dumará já estava esgotada. A apresentação e a organização é minha.
Ah!!!Eu lancei a biografia do Antônio Fraga pela editora Garamond. O estilo é do Novo Jornalismo, meio crônica, a vida mesclada nas lacunas com a ficção.
Abraços,
Maria Célia Barbosa Reis da Silva

laura disse...

Ola estou fazendu um trabalho a respeito do FERRES e gostaria que voces postacem algo mais sobre a hidtoria da biblioteca e eu tbm preciso da sua BIOGRAFIA ok OBRIGADA DES DE JA

myma disse...

sou neta do caçula dele e vivi e sei de coisas que seus livros jamais falarao

myma disse...

sei coisas que seus livros jamais publicarao.neta de antonio fraga e tereza rivera

Francisca Lima disse...

SOU AMIGA DA FILHA DO JÁ FALECIDO ANTÔNIO FRAGA , SIMONE QUE VIVE EM ESTADO DE MISÉRABILIDADE ISSO É DE EXTREMA TRISTEZA POIS TENDO TIDO UM PAI DE TANTO TALENTO , SUAS OBRAS AGORA , A MESMA VIVE DOENTE E SEM QUALQUER REPARO OU ASSISTTÊNCIA TIREI ALGUNS FOTOS DELA E PRETENDO COLOCAR NAS REDES SOCIAIS QUEM SABE ALGUÉM AS VÊ E POR FIM SE COMPADESCE , ESTOU FAZENDO UMA COLHEITANA DAS OBRAS DO SEU PAI, PRA VER O QUE A IMPRENSA ACHA.PARA RESGATAR O LEGADO DEIXADO PELO SEU PAI.FRANCISCA LIMA

Francisca Lima disse...

SOU AMIGA DA FILHA DO ESCRITOR JÁ FALECIDO E MUITO ME DOÍ QUANDO VEJO O LEGADO QUE DEIXOU E A SIMONE SUA FILHA EM ESTADO DE MISÉRABILIDADE , FIQUEI CONHECENDO PARTE DE SUAS OBRAS E PRETENDO FAZER CONTATO COM JORNAIS , REDES SOCIAIS , TV E MAIS PARA VER SE ELA RESGATA O QUE É DE DIREITO . FRANCISCA LIMA