Blog do escritor Ferréz

Metrópole de Aço (publicado na Folha de S. Paulo)

Metrópole de Aço

Mesmo que eu nunca tenha usufruído da suas posses, mesmo que você não tenha dado direitos iguais há seus filhos, mesmo assim, feliz aniversário.
Mãe, eu não te culpo, faltou eu ter a maldade necessária para vencer, mas faz mó cara que eu não escrevo, acho que com todo seu poder, você entende, pois no final, toda rua de São Paulo quando não é contra mão é sem saída, pelo menos para nós que além do poder público ficamos a mercê do poder paralelo.
Sou o menino que passa carregando a carroça ao lado de um carro importado, mais caro que toda minha vida de salário, e estou indo para a esquina onde os rostos manchados por uma vida dura fazem bifurcação.
Sou o menino que assopra a fumaça do baseado como as fábricas fazem durante todo dia, e também sou seus funcionários lá dentro trancados que na maior parte do tempo são mudos e surdos.
Corro pelo trânsito caótico, de quem num tem tempo para abaixar o vidro e nem perceber que ainda estou vivo, desço a ladeira da indignação para chegar num bairro alagado, mas a culpa é nossa mesma, na hora do voto não fazemos o saneamento básico. Sou a idosa que vive de pegar lata vazia pra sustentar os dois netos.
Como nunca fui aposentado, fico a maior parte do dia imaginando o que é viver como o salário de um deputado, também imagino uma bomba que explode e chega a causar efeito no prato vazio de um pai sentado no lixão olhando o filho que nunca ri.
Você sabe que tem filho seu que dorme ao relento, mas mesmo assim o terminal de ônibus diz a todo momento para não dar esmolas, então vamos distribuir pistolas.
Pobre gente que na terra da garoa tenta ver algum sentido na vida.
Passo com minha caixinha de chiclete na rua de um ladrão de gravata que ora e de policial mal remunerado que chora, quando vê que seu igual é um trabalhador sem expressão e sem futuro.
Vejo o concreto, e perante as famílias sem o básico na avenida de tantos fins de semanas trágicos, eu sou apenas mais um rapaz comum.
Na metrópole de aço, colecionador de pedras é o que todos nós somos.
Sou a mãe que reclama da falta de emprego e quando percebe que o filho sem rumo só tem a rua como recurso eu entro, ligo o televisor e viajo na novela
Sou o evangélico com o bolso vazio e muita fé, que olha os imensos cartazes dos bancos e pensa no diabo.
Continuo a caminhar, vendo as guerreiras se prostituírem bem perto da avenida Oscar do luxo, onde a elite branca brinca de Nova York, perante o carro blindado que fica sempre estacionado na zona sul.
Me enfio por onde começa a rua do desespero, no alto de pinheiros, onde um mendigo morreu pra não incomodar mais o dono da mansão.
Sou o alcoólatra que antes morava na rua sem nome e no barraco sem número, expulso pelo verdadeiro proprietário, dono de algum condomínio fechado, que da penitenciária só tem uma diferença, os moradores pensam estar livres.
Mãe, você oferece tanta coisa que sei que não e pra mim, então porque você mente assim mãe?
A senhora sempre cozinhou, na mesa farta, queijos, vinhos, pães, e porque mãe só alguns podem entrar nessa casa? Não adianta ser a capital da fartura se essa fartura é pra uma minoria.
Mãe você adivinhou meu destino, não tem nenhum inocente aqui, mas me diga porque quando você me escreve, só me manda impostos? Seu coração não atende mais nem as emergências, não tem médicos que me curem a dor da solidão que seus prédios autos me causam.
Mãe, você é costureira e continua a fazer a colcha de retalhos, tentando mesmo que seja em vão juntar todos nós num mesmo lugar para depois chamar de lar.
São Paulo se tornou um lugar para os duros de coração, para os outros quem sair por ultimo feche a escotilha.
Mãe, num vou mentir, você ilude as pessoas de bom coração, dizendo que tem oportunidades na sua casa, mas todos sabemos que o preço é auto, quantos eu já vi tirando 6 anos num cadeião, ou mendigando por não achar emprego? Você mata os meninos e envelhece as meninas além de esconder o que te incomoda, como os cemitérios, as prisões, os doentes mentais Acho que você faz isso comigo também mãe, você me isola, porque não pode me dar o que prometeu.
Quando você me mostrava pras tias, elas me apertavam, me beliscavam, me mordiam, porque machucamos as coisas que admiramos?
Na hora que preciso eu não tenho o mesmo tratamento que meus primos, quando ouve aquele desabamento eles ficaram em hotéis, porque eu tenho que ficar com os outros num pátio de colégio?
Isolado aqui na minha aldeia, talvez eu nem seja um filho legítimo, afinal só sei que meu pai é baiano, talvez eu seja somente um bastardo, mas mesmo assim, feliz aniversário.
Do seu filho, Periferia.

11 comentários:

Pseudo disse...

Valeu, rapaz, o negócio tava doido no feriado, nem deu pra comprar a Folha, mas é pra isso que serve a internet né não.

Sem Janta disse...

Salve, ferrez, muito bom esse texto heim...
São Paulo é realmente a terra das contradições, riqueza dum lado e pobreza do outro. Terra da gastronomia de um lado e tanta gente com fome do outro.
Grande metrópole que ilude os di fora que pensam encontrar oportunideda mais quando chegam aqui dão de frente com a diversidade, não de raças, que também tem, mais de problemas e dificuldades muito grandes.
Grande e bela por um lado mais fria e cruel por outro eis a terra de São Paulo.

Sem Janta disse...

Muito bom parabens por esse texto.
É quente, São PAulo terra das contradições, de um lado beleza e do outro muita pobreza. De um lado a cidade da gastronomia onde muitos passam fome. Mostrada como terra das oportunidades que aos aventureiros só traz uma diversidade não de raças como é vendida mais sim de problemas dos mais crueis, a indiferença.
São Paulo de um lado beleza e grandeza e do outtro pobreza e frieza.

hpg disse...

e o carro que passa carrega assim adesivado no vidro: BASTA DE VIOLÊNCIA. e eu me sinto violentado mãe!

Fábio Mendes disse...

Ferrez, maravilhoso o texto é impressionante como colocou de uma forma emocionante e direta a situação da periferia de Sampa.
Sou um grande admirador se suas palavras.
Parabéns e continue no "front".

Fábio Mendes disse...

Olá Ferrez, parabéns pelo texto. Emocionante e direta a mensagem.
Sou um grande admirador de suas palavras. Continue no "front".

AniKillador disse...

Que texto muito loko mano. Chapado mesmo. Esse resumo de toda a periferia com essas metáforas que fazem refletir na mesma hora... Ainda bem que esse texto foi publicado e num veiculo de playboy pois assim eles lêem. Parabens. ÓTIMO. Fica na paza Ferréz!

AniKillador disse...

Que texto muito loko mano. Chapado mesmo. Esse resumo de toda a periferia com essas metáforas que fazem refletir na mesma hora... Ainda bem que esse texto foi publicado e num veiculo de playboy pois assim eles lêem. Parabens. ÓTIMO. Fica na paza Ferréz!

Salve disse...

Salve Ferréz
Primeiramente gostaria de desejar que Deus esteja contigo em todos os atos e palavras para que suas idéias continuem progredindo, se expandindo e atingindo todas as classes.
Olha mano, infelizmente não tive acesso anteriormente aos seus trabalhos, tampouco às suas idéias. Relamente a "teoria do caos" é uma verdade mais ativa do que imaginamos. No meu caso, preso, há 9 anos ineterruptos, consegui dentro de "caos duplicado" - RDP de Avaré - escrever um livro de poesias. Classifiquei meu trabalho como "poesia marginal" (2.002), mas o sistema não deu-me chances sequer de apresentar o trabalho a alguém.
O sistema penitenciário é o retrato - ou reflexo - da "guerra urbana" que vivemos!
Se for do seu interesse, gostaria que você apenas lesse o trabalho e opinasse acerca. Valeria muito a sua opinião! e se puder dar uma força ... bom; leia.
Na penita que estou o movimento Rap é escasso de material (bases e etc...), porém, o material é humano e chick. Só sofredor rimador dos bons - sem perder a humildade.
Estou utilizando o cantato da minha esposa e o retorno deve ser através dela (e-mail - aline.roseli@itelefonica.com.br). Aqui ainda sofremos CENSURA!
Gostaria de parabenizar-lhe e independente de êxito, desejar-lhe forças.
Fique com Deus.
Abraços firme e forte.

Danilo Coppini

Salve disse...

Salve Ferréz
Primeiramente gostaria de desejar que Deus esteja contigo em todos os atos e palavras para que suas idéias continuem progredindo, se expandindo e atingindo todas as classes.
Olha mano, infelizmente não tive acesso anteriormente aos seus trabalhos, tampouco às suas idéias. Relamente a "teoria do caos" é uma verdade mais ativa do que imaginamos. No meu caso, preso, há 9 anos ineterruptos, consegui dentro de "caos duplicado" - RDP de Avaré - escrever um livro de poesias. Classifiquei meu trabalho como "poesia marginal" (2.002), mas o sistema não deu-me chances sequer de apresentar o trabalho a alguém.
O sistema penitenciário é o retrato - ou reflexo - da "guerra urbana" que vivemos!
Se for do seu interesse, gostaria que você apenas lesse o trabalho e opinasse acerca. Valeria muito a sua opinião! e se puder dar uma força ... bom; leia.
Na penita que estou o movimento Rap é escasso de material (bases e etc...), porém, o material é humano e chick. Só sofredor rimador dos bons - sem perder a humildade.
Estou utilizando o cantato da minha esposa e o retorno deve ser através dela (e-mail - aline.roseli@itelefonica.com.br). Aqui ainda sofremos CENSURA!
Gostaria de parabenizar-lhe e independente de êxito, desejar-lhe forças.
Fique com Deus.
Abraços firme e forte.

Danilo Coppini

rodrigo ciríaco disse...

ferréz, sem palavras
você já disse tudo.
salve