Blog do escritor Ferréz




Acabo de ler mais um livro sobre Canudos, dessa vez um Silva que nem eu, o José Erenilson da Silva que nesse romance história narra a aventura épica de Antônio Conselheiro.

O sonho que vira pesadelo, que o Brasil insiste em esconder está em grandes livros, um deles é Os Sertões de Euclides da Cunha, que tem uma importância história fudida, mas na moral é muito preconceituoso, aqui vai um trecho:

Canudos era o homizio de famigerados facínoras. Em dilatado raio do povoado, talavam-se fazendas, saqueavam-se lugarejos, conquistavam-se cidades. Os desordeiros volvima cheios de despojos para o arraial, onde ninguém lhes tomava ocnta dos desmandos.

outro trecho é pior ainda:

Faces murchas de velhas - esgrouviados viragos em cuja boca de ser um pecado mortal a prece: grenhas maltradas de crioulas retintas, cbelos corredios e duros, de cabolcas, trunfa escandalosas de africanas.

e me desculpem mas dá nojo continuar, o relato feito pelo almofadinha Euclides pro vezes juga Antônio Conselheiro e seu povo, que na verdade era as vítimas.

Os Bravos de Belo Monte morreram matando, não se renderam nem se renderiam jamais. Defendia um idela, um sonho de liberdade. olhe as fotos, veja você mesmo, pesquise o assunto e verá uma grande aliança da elite, da igreja e dos governantes para exterminar qualquer tentativa de algo novo, será que alguma coisa mudou?

os guerreiros de Belo Monte queriam um pedaço de chão, um pedaço de paraiso, algo que pudessem olhar e ter orgulho, em vez disso ganharam a guerra.

que o Brasil que continua negando sua verdadeira história, um dia pessa perdão por massacrar tanta gente inocente.

na Gazeta de notícias, Machado de Assis escrevia:

Protesto contra a perseguição que se está fazendo a gente de Antonio conselheiro. em que consiste a doutrina desse homem? deve exercer uma fascinação muito grande. trato de conselheirismo e por causa dle é que protesto e torno a protestar. precisamos conhecer as feições do Conselheiro, essa celebridade cujo nome faz baixar os nossos fundos em Nova york e em Londeres. Caso destruam Canudos e dizimem seus habitantes, que nos ficará depois da vitória da lei?

depois de alguns dias desse texto, a cabeça de Conselheiro foi levada pelos soldados.

história é foda, dá revolta, mas também nos abre os olhos.

Ferréz

8 comentários:

Erwin disse...

A leitura que fiz de Canudos me deixou a impressão que o autor ficou muito impressionado com a valentia dos moradores do Arraial.
Eu juraria que ele defendeu seus habitantes da violência absurda e desnecessária.
Posto mais alguns trechos do livro que poderão ilustrar melhor meu ponto.

Mas o alerta valerá sempre.

"Decididamente era indispensável que a campanha de Canudos tivesse um objetivo superior à função estúpida e bem pouco gloriosa de destruir um povoado dos sertões. Havia um inimigo mais sério a combater, em guerra mais demorada e digna. Toda aquela campanha seria um crime inútil e bárbaro, se não se aproveitassem os caminhos abertos à artilharia para uma propaganda tenaz, contínua e persistente, visando trazer para o nosso tempo e incorporar à nossa existência aqueles rudes compatriotas retardatários.

Ao ver tombarem as igrejas, arrombado o santuário, santos feitos em estilhas, altares caídos, relíquias sacudidas no encaliçamento das paredes e – alucinadora visão! – o Bom Jesus repentinamente a apear-se do altar-mor, baqueando sinistramente em terra, despedaçado por uma granada, o seu organismo combalido dobrou-se ferido de emoções violentas. Começou a morrer. Requintou na abstinência costumeira, levando-a a absoluto jejum. E imobilizou-se certo dia de bruços, a fronte colada à terra, dentro do templo em ruínas.

A constrição de milhares de baionetas circulantes estimulara-o; e dera-lhe, de novo, a iniciativa nos combates. Estes principiaram desde 23, insistentes como nunca, sulcando todos os pontos, num rumo gigante, estonteador, batendo, trincheira por trincheira, toda a cercadura do sítio.

Apesar de três séculos de atraso os sertanejos não lhes levavam a palma no estadear idênticas barbaridades.

Canudos tinha muito apropriadamente, em roa, uma cercadura de montanhas. Era um parêntese; era um hiato. Era um vácuo. Não existia. Transposto aquele cordão de serrras, ninguém mais pecava.

Canudos não se rendeu."

RENATO VITAL GUERREIRO DO RAP disse...

Salve Férrez.

Vi em um livro de história uma gravura que me impressionou um pouco. Antônio Conselheiro estava gigante, e a frente dele milhares de pessoas, e uma igreja ao lado. Fico imaginando o que será que aquilo siginifica. Será que é o poder da fé de Conselheiro em um mundo melhor, perante o povo, maior que o da Igreja. Sei lá imaginei uma porção de coisas. O texto tá ótimo, estou precisando ler muito sobre esse assunto também.

Robson Canto disse...

E ai tio!
Faz um favor lê meu último texto e me diz que cê acha!!!

inté! Satisfação em reve-lo!

astolfo disse...

Esse texto me lembra a luta dos sem terra, a covardia na qual o governo enfrenta as pessoas na qual só querem um pedaço de terra.
Adorei o texto parabéns guerreiro.

AniKillador disse...

Salve Ferrez! Tem uma peça, acho que já saiu de cartaz, mas sempre volta, fizeram uma trilogia sobre este livro Sertões, O Homem e a Luta no teatro Oficina do diretor Zé Celso, se você já sabia me desculpe, a peça era com um elenco enorme com participação com garotos do cortiços do bairro do Bexiga. Fazia uma critica muito grande. Uma cena muito comentada era a queimadura dos soldados, igual que fazem no bois, com o simbolo do SBT, vale a pena ver s´´o é um pouco longa cada parte dura mais ou menos seis horas.
Abraço!
Emerson (Rapper, dramaturgo e ator).

AniKillador disse...

Salve Ferrez! Tem uma peça, acho que já saiu de cartaz, mas sempre volta, fizeram uma trilogia sobre este livro Sertões, O Homem e a Luta no teatro Oficina do diretor Zé Celso, se você já sabia me desculpe, a peça era com um elenco enorme com participação com garotos do cortiços do bairro do Bexiga. Fazia uma critica muito grande. Uma cena muito comentada era a queimadura dos soldados, igual que fazem no bois, com o simbolo do SBT, vale a pena ver s´´o é um pouco longa cada parte dura mais ou menos seis horas.
Abraço!
Emerson (Rapper, dramaturgo e ator).

AniKillador disse...

Salve Ferrez! Tem uma peça, acho que já saiu de cartaz, mas sempre volta, fizeram uma trilogia sobre este livro Sertões, O Homem e a Luta no teatro Oficina do diretor Zé Celso, se você já sabia me desculpe, a peça era com um elenco enorme com participação com garotos do cortiços do bairro do Bexiga. Fazia uma critica muito grande. Uma cena muito comentada era a queimadura dos soldados, igual que fazem no bois, com o simbolo do SBT, vale a pena ver s´´o é um pouco longa cada parte dura mais ou menos seis horas.
Abraço!
Emerson (Rapper, dramaturgo e ator).

ЪE҉ŇĐE҉૨ ૯ʑ disse...

oi sou biel GT liga quem tem x box me adiciona entao fiz uma peça eu era o nego du mano foi muito louco em mais daora foi a leitura do seu livro naminha apostila bom eu qeria saber sobre algumas coisas sobre o negredo e tudo mais bom é so isso falooooooooooooooo