Blog do escritor Ferréz

Tempos de Protesto (Ferréz)


Tempos de Protesto

A chuva cai em Sampa, como se fosse uma grande novidade, tudo transborda, a defesa civil tem muito trabalho, o conselho é: procure a subprefeitura em caso de emergência, mas eu te pergunto, você já deu uma passada na subprefeitura daqui? Então vem conferir os muros altos, os arames farpados, a cara dos funcionários que se igualam a cara dos policiais na hora que você precisa fazer algo na delegacia.
Tudo se joga para outro setor, tudo é responsabilidade do outro, e no fim quem está pelo povo?
Casas alagadas, sonhos despedaçados, todo ano a mesma coisa.
Claro! Concordo, a população tem sua parcela de culpa, joga lixo no córrego, na rua, em todo lugar, mas porque ainda temos córregos ao céu aberto em pelo século 21?
Porque passamos por galerias destampadas, por matos altos, porque convivemos com os ratos em plena terra das oportunidades?
Porque desse lado da cidade é outra coisa, não fazemos parte da São Paulo de fato, não somos paulistanos nem paulistas, somos a periferia, e nesse texto essa palavra encontra sua plenitude.
Quer mais? O transporte público aumenta sua tarifa, quem vive na Paulista, Jardins etc, só convive com ônibus melhores, bancos revestidos, motoristas educados, tudo bem preparado para que quando a classe média precisar, se um dia precisar, não achar que o ônibus é um lixo, agora do outro lado da cidade, ah! Ai já é outra pegada.
Bi articulados que parecem uma carroça, pouquíssimos bancos e muito espaço para os passageiros irem a pé.
Motoristas que fazem curvas que parecem cinematográficas.
Um ônibus tão nojento que você não pode encostar sua camisa na lataria senão você trabalha todo sujo, ou de canetão por culpa das pichações, ou de pó mesmo.
Ter amor por algo assim? Preservar algo assim? Como pedir isso ao povo?
Se tem 4 filas de espera para poder ir sentado, se o cobrador ta tão puto da vida que nem te olha nos olhos, se o motorista ta tão estressado que parece que vai ter um enfarte a cada segundo que meche no câmbio.
É! Vamos aumentar a passagem, o transporte é de qualidade, e você ainda pode descer em algum terminal e conferir o tanto de barracas que tem por ali, parece um camelódromo, somando tudo isso com a vontade de você chegar em casa, se tiver sorte e não chover, boa viagem.

3 comentários:

Desconjumina disse...

Pra avaliar a situação dos aeroportos, são 4 páginas por dia, e se bobear especial no final de semana.

colocar jornalista para andar de ônibus e trem na periferia para ver a situação.... nem pensar!!

.... disse...

E aí!

Cara, privatizando as empresas de ônibus o governo lavou as mãos! E agora com que reclamar?... Com o dono da "bola branca"?... E a qualidade do ônibus...continua a mesma coisa!

Acho, já que é privado, que empresas de todos os setores (que seus trabalhadores usam ônibus - a maioria) deveriam investir no transporte da cidade, uma vez que exploram os trabalhadores (VAMOS ACORDAR), deveriam, no mínimo, garantir uma ida e volta segura para casa.

Quantos às enchentes, a cidade alta nunca vai se importar com a cidade baixa... Assim sempre será?...

Sem Janta disse...

Fico puto com essa lógica capitalista tio,onde seeempre alguém tem que lucrar,e mais uma vez aumenta a condução,o que não reflete em qualidade e sim deve refletir no bolso do empresário que se pá nem sabe o que é um onibus,porque como todo bom empresário deve andar de blindado ou se pá de helicóptero,mais é assim sempre sobra pro povo,até quando...