Blog do escritor Ferréz

Rachel Corrie, morta pela ignorância.

Amigos
Estou impressionado com o número de e-mails que recebi nestas três últimas horas protestando contra o fato de a mídia não ter dado o devido destaque ao assassinato da jovem pacifista americana Rachel Corrie por uma retroescavadeira israelense. Para quem não recebeu ou não conseguiu abrir o power point enviado hoje, esclareço que a jovem americana ficou indignada quando viu os soldados de Israel utilizando uma escavadeira para demolir casas de palestinos. Ela se postou diante de uma dessas retroescavadeiras( antes símbolo de construção) sendo esmagada brutalmente. Não contente com isso e não se sensibilizando com os gritos dos manifestantes, o manobrista ainda cobriu o corpo da jovem com terra, mesmo ela estando viva, e passou novamente a máquina sobre ela.
A indignação contra a mídia pilantra procede, por isso é importante a criação de um Instituto de Defesa dos Consumidores de Noticias.
Um abraço
Georges Bourdoukan

7 comentários:

Cacá - Capão-SP disse...

Ignácio de Loyola Brandão


"Ela é fundamental. Ser máquina, despida de emoções.
Arrancar de dentro sentimentos e atirá-los ao lixo.
Liberar-se dos empecilhos.
Não se comover com o choro, a dor e a tristeza alheias
A dor do outro é do outro, não pode penetrar em você, te algemar."

(Impiedade)

maryF disse...

Instituto de Defesa dos Consumidores de Noticias?
Nossa, parece uma briga boa...
como começamos?

nilza bellini disse...

Ferrez,

essa história foi desmentida como montagem há mais de dois anos. Eu mesma recebi o e mail com as fotos e depois com o desmentido. Teria sido uma das muitas estratégias farsecas que utilizadas na internet.Será que o desmentido é que era mentira?

nilza bellini disse...

a coluna da Monica Bergamo, da FSP, na edição de ontem (12/09) reflete o evento. A classe média está se interessando pelo movimento. Tomara que não se aproprie da causa para depois extinguí-la, como costumam fazer os órgãos do Estado: integrar para pulverizar, ação altamente ideológica.

nilza bellini disse...

eu falei desse evento na Zona Sul. Acho que postei no link errado.

elisabete disse...

acho incrivel que achem que ser máquina é fundamental,aconteçe que no caso desta máquina ela não funcionou sózinha havia um condutor que ao ter visto uma pessoa na frente e ter passado por cima mostrou que não é um ser humano eu acho que deviam fazer-lhe o mesmo passar-lhe por cima com essa mesma máquina para que ele sentisse até ao fundo da alma o que fez e a dor que causou a todos que conheçiam e eram da familia dessa moça que só queria a PAZ...............

C. disse...

O problema é que quem conduzia a retroescavadeira era um israelense, então, tudo o que um judeu fez após o Holocausto é justificado, pelo mesmo.
Vergonha.