Blog do escritor Ferréz

Reunião de intelectuais com Lula

Ontem, dia 29/08/2006

Peguei meu velho Gol, junto com o meu parceiro Maurício e fomos para o Hotel Sofitel, no meio do caminho levei uma multa por que esqueci que era dia da minha placa no rodízio, eu nunca presto atenção nessas coisas.
Bom, somando com o preço do estacionamento, mais 18,00 reais, eu diria que o suco de laranja e o pequeno pão que me serviram lá não compensou muito, mas tudo bem.
Entramos no hotel, as 6:oohs da tarde, eu sabia que toda reunião com o PT sempre atrasa, mas por ser tratar do presidente...estava enganado, atrasou também.
No corredor abracei um amigo, Paulo Lins estava com um blaser bonito, e de camisa de cacharrel era o único sem gravata, sem contar eu e o Mauricio, que além de não ter gravata estávamos de jaqueta, boné, calça de moleton e tênis, fomos com o kit completo da favela.
Conversamos um pouco sobre o filho do Lins e sobre o Rio e depois falei com o Maurício que era melhor agente ficar um tempo lá embaixo, (devo confessar, que muito engravatado me dá coceira).
Sentado num confortável sofá, eu olhava toda a estrutura do hotel e pensava quantas pessoas iguais a mim era necessárias para limpar tudo aquilo, também lembrava da época que fazia pintura, sem querer olhava o acabamento e o tom da tinta, coisa de sofredor.
Minha conversa com Maurício foi interrompida pelos jornalistas, Folha, Estadão, Agora etc, todos perguntando da minha ida ali, e da coisa da ética do governo.
Respondi que assunto mais sério do que ética pra mim era a morte de 460 pessoas em São Paulo devido a má administração do governador. Eu sabia o que a grande mídia queria, um escritor de periferia carrancudo, crítico, sem papas nas línguas, mas não dei o que queriam, porque na verdade eu estava naquele encontro também para ouvir, coisa que aprendi com um provérbio do preto Ghóez, que numa palestra minha disse para um penetra: agente tem dois ouvidos, e só uma boca, isso te diz algo?
Então, a minha ida naquela reunião só tinha uma missão, trazer para a periferia o que tinha rolado lá, e também deixar claro, que o Alckimin não era a minha escolha.
Depois das entrevistas fomos para a sala de reunião, lá Fernando Moraes, Marilene Chauí, Moacyr Scliar, Paul Singer, Ariano Suassuna e mais de 70 intelectuais presentes.
O presidente se sentou ao lado de Berzoini, Marta, e outros ministros, depois chegou o aviso de que 10 pessoas foram escolhidas para falar em nome de todos ali.
Não me espantei quando vi o nome do Paulo Lins, mas sim quando vi o meu, tentei pensar no que falaria, qual era o ponto mais necessário naquele momento, e todos caíram por terra ta ligado? Assim que lembrei de tantas vitimas esse ano.
Falei, fiz a falação como dizia o Ghóez, e nesse momento retratei as mães que choraram por seus filhos, ignorados pelo estado que naquele momento tinha um representante só preocupado em se candidatar a presidente, também falei da tentativa da mídia de criminalizar a periferia a todo momento, associando todos da vida criminal com moradores dos subúrbios.
Falei do rio de sangue que banhou a periferia no governo Alckimin, falei da falta de preparo da única presença do estado na nossa comunidade, a policia, que de certa forma também é vítima desse mesmo estado omisso.
Fiz meu papel, e infelizmente não falei de literatura, mas o Paulo Lins também não, assim como eu, ele citou a questão da violência que na verdade é nossa primeira preocupação, como vamos falar de literatura se as pessoas em nossa volta morrem a todo momento de forma banal, e na maioria sem motivos.
Depois do discurso do presidente, fui até o Ariano e pedi um autógrafo, ele me atendeu prontamente e a assinatura desse grande talento e ser humano, ta aqui do lado da minha mesa, enquanto escrevo essas palavras.
Na volta, paramos para comer algo, e voltamos para a periferia aproveitando o transito livre que só a noite de São Paulo pode nos dar, quando o carro começou a trepidar mais, e as paradas por causa dos buracos se faziam mais necessária era sinal de que estávamos na nossa quebrada, os barracos estavam todos escuros, e só algumas luzes iluminavam os cães que nessa noite não latiam.

Ferréz.
P.S: Devido a alguns abusos, esse texto e todos os demais que constam desse blog só podem ser usados por outros blogs e sites, e não está autorizado a ser usado em outros meios de comunicação. Fz.

10 comentários:

Neuza disse...

Precisa ter muita coragem pra falar numa hora dessas. Um bando de engravatados representantes de um troço feito o Estado. E ainda a incumbência de representar um bando de gente. Tem que ter garra mesmo, não é pra qualquer um. No seu lugar, eu teria um baita de um branco, ia passar batido em tudo. Até em abrir o coração pra falar o que todo mundo sabe e ninguém gosta de ouvir. Te admiro e não é só pela Literatura. Valeu.

Bóvisk disse...

Fala Ferréz!

Cara, não faz muito tempo que me dei conta do teu trampo, azar o meu...mas, desde então, seu bolg está no "favoritos" do meu navegador, e sempre acompanho oq vc escreve. De uma forma geral,te admiro pra cacete, mas tem algumas coisas que, sei lá, fico meio contrariado. Talvez por algum tipo de preconceito, ou por não ter total contato com a realidade que vc teve...Mas o fato é que, depois que li algumas paradas que vc escreveu, repensei em muitos dogmas particulares. Uns mudaram, outros foram fortalecido.
Mas em fim...sobre esse post, especificamente...Cara, tenho a impressão que vc é contra o Alckimin por ele retratar, de alguma forma, a burguesia, estou certo? Não morro de amores pelo PSDB, principalmente depois o governo Covas deu borrachada na minha galera (e eu) na FATEC, ondeu eu estudava...e colocou a PM lá dentro! PM dentro duma Facu, p/ reprimir os proprios alunos.
No entanto, depois de ter votado no Lula...putz...que decepção!! Fiquei sem opção, ta tudo uma merda...o jeito é seguir a linha, dos males o menor, certo? Oque quero dizer é que...cara, acho essa postura de guerra social como viés de escolha de um candidato, uma posição muito pequena. Que se foda o Alckimim e o Lula...nenhum representa a burguesia, nenhum representa o povo...o jogo é outro.
Cara, vc estava de frente pro Homem...foi naquele hotel de bacana...Te admiro pacas por sua postura de se orgulhar e defender suas origens, o Capão e tal...Mas como disse, vc estava numa reunião com o Homem e os tais intelectuais, apesar do contraste dos dois mundos, vc é um dos poucos com acesso a eles (os mundos) e não pode se restringir à guerra de classes.Ao menos é essa a impressão que tenho. cara, não é a gravata que faz o homem...vc pode usar uma sem perder o estilo. Não é a bombeta que faz o mano...olha o Lula, com boné do MST ou sem, ele deixou de ser povão faz tempo...por outro lado...com gravata ou sem, ele jamais será elite! É um cara sem identidade, sem raiz.
Acho escrevi demais, fica aqui meu toque...minha opinião...de que existem coisas maiores numa causa q a insignificância do preconceito de classes. E que havendo isso, que pelo menos, uma das partes tenha espirio nobre o suficiente p/ que não haja reciprocidade.

Abraço cara, te admiro pra cacete!!

Bóvisk disse...

Fala Ferréz!

Cara, não faz muito tempo que me dei conta do teu trampo, azar o meu...mas, desde então, seu bolg está no "favoritos" do meu navegador, e sempre acompanho oq vc escreve. De uma forma geral,te admiro pra cacete, mas tem algumas coisas que, sei lá, fico meio contrariado. Talvez por algum tipo de preconceito, ou por não ter total contato com a realidade que vc teve...Mas o fato é que, depois que li algumas paradas que vc escreveu, repensei em muitos dogmas particulares. Uns mudaram, outros foram fortalecido.
Mas em fim...sobre esse post, especificamente...Cara, tenho a impressão que vc é contra o Alckimin por ele retratar, de alguma forma, a burguesia, estou certo? Não morro de amores pelo PSDB, principalmente depois o governo Covas deu borrachada na minha galera (e eu) na FATEC, ondeu eu estudava...e colocou a PM lá dentro! PM dentro duma Facu, p/ reprimir os proprios alunos.
No entanto, depois de ter votado no Lula...putz...que decepção!! Fiquei sem opção, ta tudo uma merda...o jeito é seguir a linha, dos males o menor, certo? Oque quero dizer é que...cara, acho essa postura de guerra social como viés de escolha de um candidato, uma posição muito pequena. Que se foda o Alckimim e o Lula...nenhum representa a burguesia, nenhum representa o povo...o jogo é outro.
Cara, vc estava de frente pro Homem...foi naquele hotel de bacana...Te admiro pacas por sua postura de se orgulhar e defender suas origens, o Capão e tal...Mas como disse, vc estava numa reunião com o Homem e os tais intelectuais, apesar do contraste dos dois mundos, vc é um dos poucos com acesso a eles (os mundos) e não pode se restringir à guerra de classes.Ao menos é essa a impressão que tenho. cara, não é a gravata que faz o homem...vc pode usar uma sem perder o estilo. Não é a bombeta que faz o mano...olha o Lula, com boné do MST ou sem, ele deixou de ser povão faz tempo...por outro lado...com gravata ou sem, ele jamais será elite! É um cara sem identidade, sem raiz.
Acho escrevi demais, fica aqui meu toque...minha opinião...de que existem coisas maiores numa causa q a insignificância do preconceito de classes. E que havendo isso, que pelo menos, uma das partes tenha espirio nobre o suficiente p/ que não haja reciprocidade.

Abraço cara, te admiro pra cacete!!

Fabiano disse...

Fico feliz em saber que você pensa assim. Nós, que não nos deixamos nos manipular pela grande mídia e seus interesses, temos o dever de nos posicionarmos num momento como esse.

Salvão!

William WWW disse...

Ae tio é nóis denovo dando idéia pelo veículo loko dos blogs... Mas é o jeito, essa parada existe pra ver o lado de quem não consegue se trombrar e discutir essas fita tomando uma gelada e jogando um bilhar na quebrada... Ultimamente eu to sem inspiração pra escrever, acho que você já deve ter passado por isso. Essa porra de eleição consome até a alma... e bater na mesma tecla empapussa. Mas ae... o toque que eu quero deixar aqui é que essa história de luta de classes não me ilude mais. Hoje cedo minha mina tava loka com 2 fita que trampa com ela, e na ignorancia deles, acabaram irritando ela tirando onda de que quem vota do barbudinho denovo é loque... No meio da idéia que dei pra ela sobre se colocar no lugar do outro e tal, de quem não tem parametro nem opniao pra respeitar as idéias alheias, minha mina me surpreendeu. Disse que fechou o debate dizendo o que ela vota no Lula denovo, sim, não por uma questão pessoal e sim pelos pobres, por quem precisa, pela maioria, pelo coletivo. O recado é claro, nem eu nem ela precisamos de esmola do governo... na correria do dia-a-dia nóis se levanta.. mas tem muita, mas muita gente que precisa das migalhas, quem sou eu pra julgar.
E o meu discurso vai nessa linha, democracia, representatividade, luta de classes, opnião publica ou publicada, mídia viciada, lideranças, discursos bonitos e inflamados... que se foda tudo isso. Não importa quem vai ocupar o palacete... A mudança não começa por ali.

Se tem algo que me orgulha no Lula é o espaço que ele dá pra ouvir o povo, e lá vc representou o gueto, firmeza total, assim como foi no encontro com os Rappers, Mano Brow, Rappinhood e os caraio... É isso que vale, o que vem depois, depende de tantos interesses, tantos egos. Pra nós mesmos, vale o desabafo que garante a nossa fé e coragem pra continuar na luta.
Obs.: Sem duvida seu post vai ganhar um (Copy / Paste) no meu blog...

Salve!

William WWW disse...

Ae tio é nóis denovo dando idéia pelo veículo loko dos blogs... Mas é o jeito, essa parada existe pra ver o lado de quem não consegue se trombrar e discutir essas fita tomando uma gelada e jogando um bilhar na quebrada... Ultimamente eu to sem inspiração pra escrever, acho que você já deve ter passado por isso. Essa porra de eleição consome até a alma... e bater na mesma tecla empapussa. Mas ae... o toque que eu quero deixar aqui é que essa história de luta de classes não me ilude mais. Hoje cedo minha mina tava loka com 2 fita que trampa com ela, e na ignorancia deles, acabaram irritando ela tirando onda de que quem vota do barbudinho denovo é loque... No meio da idéia que dei pra ela sobre se colocar no lugar do outro e tal, de quem não tem parametro nem opniao pra respeitar as idéias alheias, minha mina me surpreendeu. Disse que fechou o debate dizendo o que ela vota no Lula denovo, sim, não por uma questão pessoal e sim pelos pobres, por quem precisa, pela maioria, pelo coletivo. O recado é claro, nem eu nem ela precisamos de esmola do governo... na correria do dia-a-dia nóis se levanta.. mas tem muita, mas muita gente que precisa das migalhas, quem sou eu pra julgar.
E o meu discurso vai nessa linha, democracia, representatividade, luta de classes, opnião publica ou publicada, mídia viciada, lideranças, discursos bonitos e inflamados... que se foda tudo isso. Não importa quem vai ocupar o palacete... A mudança não começa por ali.

Se tem algo que me orgulha no Lula é o espaço que ele dá pra ouvir o povo, e lá vc representou o gueto, firmeza total, assim como foi no encontro com os Rappers, Mano Brow, Rappinhood e os caraio... É isso que vale, o que vem depois, depende de tantos interesses, tantos egos. Pra nós mesmos, vale o desabafo que garante a nossa fé e coragem pra continuar na luta.
Obs.: Sem duvida seu post vai ganhar um (Copy / Paste) no meu blog...

Salve!

William WWW disse...

Ae tio é nóis denovo dando idéia pelo veículo loko dos blogs... Mas é o jeito, essa parada existe pra ver o lado de quem não consegue se trombrar e discutir essas fita tomando uma gelada e jogando um bilhar na quebrada... Ultimamente eu to sem inspiração pra escrever, acho que você já deve ter passado por isso. Essa porra de eleição consome até a alma... e bater na mesma tecla empapussa. Mas ae... o toque que eu quero deixar aqui é que essa história de luta de classes não me ilude mais. Hoje cedo minha mina tava loka com 2 fita que trampa com ela, e na ignorancia deles, acabaram irritando ela tirando onda de que quem vota do barbudinho denovo é loque... No meio da idéia que dei pra ela sobre se colocar no lugar do outro e tal, de quem não tem parametro nem opniao pra respeitar as idéias alheias, minha mina me surpreendeu. Disse que fechou o debate dizendo o que ela vota no Lula denovo, sim, não por uma questão pessoal e sim pelos pobres, por quem precisa, pela maioria, pelo coletivo. O recado é claro, nem eu nem ela precisamos de esmola do governo... na correria do dia-a-dia nóis se levanta.. mas tem muita, mas muita gente que precisa das migalhas, quem sou eu pra julgar.
E o meu discurso vai nessa linha, democracia, representatividade, luta de classes, opnião publica ou publicada, mídia viciada, lideranças, discursos bonitos e inflamados... que se foda tudo isso. Não importa quem vai ocupar o palacete... A mudança não começa por ali.

Se tem algo que me orgulha no Lula é o espaço que ele dá pra ouvir o povo, e lá vc representou o gueto, firmeza total, assim como foi no encontro com os Rappers, Mano Brow, Rappinhood e os caraio... É isso que vale, o que vem depois, depende de tantos interesses, tantos egos. Pra nós mesmos, vale o desabafo que garante a nossa fé e coragem pra continuar na luta.
Obs.: Sem duvida seu post vai ganhar um (Copy / Paste) no meu blog...

Salve!

William WWW disse...

Ae tio é nóis denovo dando idéia pelo veículo loko dos blogs... Mas é o jeito, essa parada existe pra ver o lado de quem não consegue se trombrar e discutir essas fita tomando uma gelada e jogando um bilhar na quebrada... Ultimamente eu to sem inspiração pra escrever, acho que você já deve ter passado por isso. Essa porra de eleição consome até a alma... e bater na mesma tecla empapussa. Mas ae... o toque que eu quero deixar aqui é que essa história de luta de classes não me ilude mais. Hoje cedo minha mina tava loka com 2 fita que trampa com ela, e na ignorancia deles, acabaram irritando ela tirando onda de que quem vota do barbudinho denovo é loque... No meio da idéia que dei pra ela sobre se colocar no lugar do outro e tal, de quem não tem parametro nem opniao pra respeitar as idéias alheias, minha mina me surpreendeu. Disse que fechou o debate dizendo o que ela vota no Lula denovo, sim, não por uma questão pessoal e sim pelos pobres, por quem precisa, pela maioria, pelo coletivo. O recado é claro, nem eu nem ela precisamos de esmola do governo... na correria do dia-a-dia nóis se levanta.. mas tem muita, mas muita gente que precisa das migalhas, quem sou eu pra julgar.
E o meu discurso vai nessa linha, democracia, representatividade, luta de classes, opnião publica ou publicada, mídia viciada, lideranças, discursos bonitos e inflamados... que se foda tudo isso. Não importa quem vai ocupar o palacete... A mudança não começa por ali.

Se tem algo que me orgulha no Lula é o espaço que ele dá pra ouvir o povo, e lá vc representou o gueto, firmeza total, assim como foi no encontro com os Rappers, Mano Brow, Rappinhood e os caraio... É isso que vale, o que vem depois, depende de tantos interesses, tantos egos. Pra nós mesmos, vale o desabafo que garante a nossa fé e coragem pra continuar na luta.
Obs.: Sem duvida seu post vai ganhar um (Copy / Paste) no meu blog...

Salve!

vi disse...

boa

vi disse...

belo texto ferrez.