Blog do escritor Ferréz

Xico Sá dá as boas novas.

Fonte: www.nominimo.com.br

Xico Sá

Ninguém é inocente em São Paulo

Em tempos de violência, esta Ponte Aérea orgulhosamente apresenta, como brinde de domingão, um conto inédito de Ferréz, escritor do Capão Redondo, zona sul de São Paulo, um dos melhores e mais contundentes textos da literatura contemporânea, além de raro exemplo de homem de letras que atua e mora na periferia da metrópole.
O conto abaixo faz parte do livro "Ninguém é inocente em São Paulo", que a editora Objetiva vai lançar no dia 10 de agosto.
Fábrica de fazer vilão
Para Tó, Wilsão, Arnaldo, Alê eNego Dú

Tô cansado mãe, vou dormir.
Estômago do carái, acho que é gastrite.
Cobertor fino, parece lençol, mas um dia melhora.
Os ruídos dos sons às vezes incomodam, mas na maioria ajudam.
Pelo menos sei que tem um monte de barraco cheio, monte de gente vivendo.
Ontem terminei mais uma letra, talvez o disco saia um dia, senão é melhor correr trecho.
Acorda preto.
O quê... o quê...
Acorda logo.
Mas o quê...
Vamo logo, porra.
Ai, peraí, o que tá acontecendo.
Levanta logo, preto, desce pro bar.
Mas eu...
Desce pro bar, porra.
Tô indo.
Tento pegar o chinelo, cutuco com o pé embaixo da cama, mas não acho. Todo mundo lá embaixo, o bar da minha mãe tá fechado, cinco homens, é a Dona Zica, a Rota.
É o seguinte, por que esse bar só tem preto?
Ninguém responde, vou ficar calado também, não sei por que somos pretos, não escolhi.
Vamos, porra, vamos falando, por que aqui só tem preto?
Porque... porque...
Por que o quê, macaca?
Minha mãe num é macaca.
Cala a boca, macaco, eu falo nesse caralho.
O homem se irrita, arranca a caixa de som, joga no chão.
Fala, macaca.
É que todo mundo na rua é preto.
Ah! Ouviu essa, cabo, todo mundo na rua é preto.
Por isso que essa rua só tem vagabundo, só tem nóia.
Penso em falar, sou do rap, sou guerreiro, mas não paro de olhar a pistola na mão dele.
É o seguinte, vocês vivem de quê aqui?
Do bar, moço.
Moço é a vaca preta que te pariu, eu sou senhor para você.
Sim, senhor.
Minha mãe não merece isso, 20 anos de diarista.
E você, neguinho, o que tá olhando aí, decorando minha cara para me matar, é? Você pode até tentar, mas a gente volta aqui, põe fogo em criança, queima os barracos e atira em todo mundo nessa porra.
Ai! Meu Deus.
Minha mãe começa a chorar.
Você trabalha de quê, seu macaco?
Tô desempregado.
Tá é vagabundo, levar lata de concreto nas costas não quer, né?
Ele talvez não saiba que todo mundo na minha rua é pedreiro agora, ele talvez não saiba.
Sabe o que você é?Não.Você é lixo, olha suas roupas, olha sua cara, magro que nem um preto da Etiópia, vai roubar, caralho, sai dessa.
Sou trabalhador.
Trabalhador o caralho, você é lixo, lixo.
Cai cuspe da boca dele na minha cara, eu sou lixo agora.
Eu canto rap, devia responder a ele nessas horas, falar de revolução, falar da divisão errada no país, falar do preconceito, mas...
É o seguinte, seus montes de bosta, vou apagar a luz, e vou atirar em alguém.
Mas capitão...
Cala a boca, caralho, você é da corporação, só obedece.
Sim, senhor.
Ou tem algum familiar seu aqui, algum desses pretos?
Tem não.
Ah! Mas se eles te pegam na rua, comem sua mulher, roubam seus filhos sem dó.
Certo, capitão.
Então apaga a luz.
O tiro acontece, eu abraço minha mãe, ela é magra como eu, ela treme como eu.
Todo mundo grita, depois todo mundo fica parado, o ronco da viatura fica mais distante.
Alguém acende a luz. Filho-da-puta do caralho, atirou no teto, grita alguém.

Publicado por Xico Sá no site nomínimo.com.br - 23/07/06 12:01 AM

Um comentário:

Versivoz disse...

Férrez a dinamica é mais ou menos essa, um ciclo de desgraças, mas o maior desafio é levar a indignação á massa oprimida conformista com seu destino trágico, ai façamos a revolução, tiremos esse mercado deus do trono, e coloquemos em seu lugar a arte e a harmonia...Volta a fazer os textos indgnados na Caros Amigos velho, lia os textos há 3 anos atras e desenvolvi minha crítica feroz, a este sistema, pois mesmo sendo branco e tendo uma condição de vida razoavel sei da mazela e do abandono que nosso povo vive! Mudemos Isso! Nossa missão! Valeu irmão...Paz