Blog do escritor Ferréz

onde você estiver.

Onde vc estiver, choque, seja você.
se for pelos livros ótimo, se for pelo terror, que seja terrorismo literário.
enquanto São Paulo paga o preço da exclusão, agente só vê o que a tempos imaginava.
Não deu certo jogar os culpados num canto da cidade, reduzir sua comida, sua dignidade, tentar tirar sua criatividade.
parece que não deu muito certo.
um amigo me disse que onde o estado não chega, chega outra coisa, eu digo que quando não queremos olhar, pelo menos a certeza de sentir teremos.
São Paulo tá assim, quer olhar mas não quer ver. quer sentir mas não expressar.

Ferréz

Ferréz

15 comentários:

Wilson Santa Rosa disse...

Olá ferréz,
Curto rock, mas comprei o seu cd DETERMINAÇÃO; comprei, ouvi e gostei, sobretudo das faixas 3.29 de dezembro, com a participação do Arnaldo antunes, do qual sou fã desde os Titãs (melhor banda de rock do Brasil) e 8. Seu pai, com a participação do Chico Cesar. Também gostei das crônicas do encarte e clipe, e da música, Judas e, é claro, da faixa 11. Eu queria ter e ser, disparada a minha favorita. Agora é aguardar o próximo.
Um abraço.
PS: Valeu por ter publicado meu poema no IndústriTexto. Muito obrigado.
Até a próxima.

Marrie disse...

Ferrez,
Moro no interior de São Paulo e admiro muito o seu trabalho. Há tempos leio sua coluna na Caros Amigos, também tenho seu livro Capão Pecado, que considero um livro muito bom. Eu sou filha de classe média, não precisei trabalhar cedo, fiz faculdade particular, nunca perdi um amigo em crime algum, mas mesmo assim não posso deixar de me indignar com a situação das pessoas em nosso país. Não posso crer como a sociedade consegue tornar seus semelhantes pessoas praticamente invisíveis, tratam os pobres como animais e depois não querem que eles se comportem como tal. Aqui em minha cidade – Mogi Mirim – também temos muitas pessoas em situação precária, é claro que não temos favelas como Sã Paulo. Todos os dias quando acordo penso em formas de poder ajudar essas pessoas, espero que consiga realizar alguns projetos e espero que você consiga com sua luta ajudar a sua comunidade e os demais. Tenha fé!

Bullit disse...

Simples e direto, é bem isso, caro Ferrez. Me canso de ver análises midiáticas que insistem em não querer encarar a realidade dos fatos. Grande abraço.

calves disse...

Ferrez como vai!
Meu nome é Cristiano,participo de um núcleo de pesquisa afrodecendente na minha Universidade e meu tema é sobre a Representatividade negra na política brasileira, buscando encontrar uma maior participaçãodos nossos representantes e que este adquiram um vínculo com a sua camada eleitoral. Trata-se de um trabalho acadêmico que visa uma maior inserção dos negros na política devido o grande número de eleitores negros. Gostaria de contar com alguns depoimentos entre eles o seu ponto de vista sobre a questão se puder me contactar e pelomenos ceder algum espaço no seu precioso tempo gostaria que você retornasse essa mensagem. Desde já agradeço pela sua atenção. Um forte abraço

calves disse...

Ferrez como vai!
Meu nome é Cristiano,participo de um núcleo de pesquisa afrodecendente na minha Universidade e meu tema é sobre a Representatividade negra na política brasileira, buscando encontrar uma maior participaçãodos nossos representantes e que este adquiram um vínculo com a sua camada eleitoral. Trata-se de um trabalho acadêmico que visa uma maior inserção dos negros na política devido o grande número de eleitores negros. Gostaria de contar com alguns depoimentos entre eles o seu ponto de vista sobre a questão se puder me contactar e pelomenos ceder algum espaço no seu precioso tempo gostaria que você retornasse essa mensagem. Desde já agradeço pela sua atenção. Um forte abraço

Neuza disse...

Vi a foto do Marcola depondo na CPI do tráfico de armas, antes de ser transferido pro novo presídio de segurança máxima. Deve ser pelo menos uns 10 anos mais novo que eu. Entre eu e ele há uma distância espacial, temporal insuperável. Jamais falaremos a mesma língua. Ele foi criado diferente, se é que foi criado. Foi sobrevivendo sob a égide dos tráficos. É um predador afiado. Como ele deve haver outros milhares que, se não se criaram completamente longe das leis do Estado, em periferias regiamente ignoradas pelo poder público e pelos cidadãos paulistanos, passaram os tempos de moleque entre uma tevê neurótica e rasteira e um shopping onde os tênis de marca eram muito caros. Nos dois casos a audiência massiva dá traço de alma. Resta um predador de nova geração, poderosíssimo, assustador e trágico feito Darth Vader.
Mas pode ser que a São Paulo sobreviva. E que o Estado chegue num acordo com a perifa. Os meninos atirando bombas caseiras nos ônibus são paus mandados do PCC, ok. Mas também são a raiva dos excluídos. Dos que simplesmente não contam para gente como o Secretário de Habitação de São Paulo, que manda a polícia descer o pau em famílias de sem-teto que ocupam moradias abandonadas no Centro.

Mika disse...

Adorei a entrevista na TRIP.

MeSGa disse...

Ferrez, por força do destino, é a segunda vez que eu comento aqui e da 1ª também era época de atentados, infelizmente, gosto do jeito que vc aborda os fatos, uma cidade que quer ver mas não enxerga, é bem isso mesmo, parabens novamente.
Até...

Cacá - Capão-SP disse...

A vontade é de gritar, de ter o direito de errar, mas a quem não se tem os direito que lhes são de direto, parece não ter razão, nem mesmo o de expressão, quero desentalar este osso da minha garganta, manja? é foda, pô ainda to curioso e o movimento, envolve eu Poeta "o estudo a cultura é escudo da unjuria".

Firme e forte, manda um salve pro Davi é meu mano aquele muleque, t´mais.

Cacá - 18/07/2006

Feijó disse...

Fala Ferréz!
Sou publicitário e li sua entrevista nas páginas negras da revista Trip. Gostei muito e achei seu trabalho fantástico. Meus parabéns!!
Minha vida é muito diferente da sua.
Nunca vivi a violência tão de perto como hoje em dia, e confesso que fiquei assustado.
Num país onde não existe oportunidade, o fim só poderia ser assim. Violência, medo, mortes e a bandidagem cada vez mais dominando.
Vamos continuando na luta por uma qualidade de vida melhor para todos.
Abraço

Pedro Brandi disse...

Ferrez,
Olá, sou aluno de cinema da FAAP, e estou realizando um roteiro para o TCC, que é nosso filme final, estou meio empacado na história e gostaria de dar uma conversada por e-mail contigo.
Se possível.
Se quiser não é necessário postar este comentário.
Grato pela atenção.
pedrobrandi2002@hotmail.com

mercedes poison disse...

Oi Ferrez!!Sou leitora assídua da sua coluna na Caros Amigos e agora tb faço visitas frequentes ao seu blog. Parabéns pelo teu trabalho e visite o meu blog tb, creio que podemos estabelecer diálogos interessantes...;)

Um abraço.

Fernando Soares Campos disse...

Caro Ferréz...

RIO DE JANEIRO

VIOLÊNCIA NOSSA DE CADA DIA

Ocorrências registradas nas delegacias da cidade, em um dia de PAZ no Rio de Janeiro

15/07/2006

EM DIA DE PAZ e o que seria "normal" em dia de guerra.

* * *

MORTES VIOLENTAS...7.../normalmente.....14

ROUBO DE VEÍCULOS...40.../o ideal...80

ASSALTOS A TRANSEUNTES...42.../comumente....85

ASSALTOS EM ÔNIBUS...10.../cota diária...20

LESÕES CORPORAIS...39.../o natural...80


Esse silêncio todo me atordoa
Atordoado eu permaneço atento
Na arquibancada pra a qualquer momento
Ver emergir o monstro da lagoa
(Chico Buarque, em "Cálice")

Fernando Soares Campos

P.S.: os dados referentes ao DIA DE PAZ foram copiados de infográfico de O Globo
http://oglobo.globo.com/jornal/rio/284971535.asp

.

Jose Luiz Pedro disse...

Olha cara, gosto do seu trabalho. Sem puxa - saquismo, eh fantastico o que a periferia pode produzir sem precisar de apoio de ninguem. Soh ver a historia do RAP de SP, do pessoal de Recife, dos projetos na Bahia, etc...
Vi essa semana um clip no site do Fotografo Iata Cannabrava, um trabalho no Capao e gostei bastante (http://www.iatacannabrava.fot.br/umaoutracidade/)
Sempre morei na ZL e gosto de rock, obvio que tenho uma aproximacao com o Samba e RAP que aprecio meio de longe. Mas acho que o que foi feito nas ruas, muito tem em relacao a safadeza de alguns. Pirueiros mandando queimar onibus, gente atirando em policiais e todo mundo usando o PCC como desculpa. Claro que houve acoes coordenadas para isso, mas muita gente se aproveitou da situacao para descontar sua raiva pessoal em cima das empresas e policia.
Acho que estamos em um caso que nao da para ser contra ou a favor. Pois quanto atinge a populacao em geral, principalmente os pobres que soh tem o onibus para trabalhar , ai nao vejo sentido.. vai queimar BMW, Mercedes, carro da policia, quem eles realmente queriam atingir, mas nao o povao.. Ja quanto aos sem terra e sem teto no comeco era a favor. Depois vi que se tornou uma coisa meramente politica, os caras oferecendo dinheiro para investir em outros paises.. ai fudeu..

Fernando disse...

.

OBSERVATÓRIO DA IMPRENSA

Uma alternativa ao Farfour


Por Fernando Soares Campos em 15/5/2007

Li neste Observatório da Imprensa nota intitulada "Hamas usa sósia de Mickey em campanha contra Israel ". Militantes do Hamas estariam usando uma réplica do ratinho símbolo da Walt Disney Company "para divulgar mensagens da dominação islâmica [sic] e da resistência armada para o público infantil em um programa da emissora de TV al-Aqsa chamado Pioneiros do Amanhã ". A imitação do Mickey se chama Farfour.

Este foi o trecho da matéria que mais chamou a minha atenção:

"O programa conta também com a participação de crianças, cantando hinos sobre a luta contra Israel – que há muito tempo vem reclamando que os canais palestinos incitam ódio ao povo israelense. David Baker, porta-voz do primeiro-ministro israelense Ehud Olmert, afirmou que `não há nada cômico sobre ensinar novas gerações de palestinos a odiar israelenses´. Mark Regev, porta-voz do ministério do Exterior, acusou os palestinos de não assumir o compromisso de parar de incitar ódio contra Israel. `As crianças aprendem que matar judeus é algo bom´, diz."

Ano passado foram amplamente divulgadas na internet fotos de crianças israelenses escrevendo mensagens nos mísseis que seriam lançados contra as posições palestinas no Líbano. Crianças e adolescentes, usando batom e lápis de desenho, aparentemente descontraídas, escreviam mensagens nos petardos e conversavam com os soldados. Ao lado, seus pais acompanhavam a visita ao front, certamente orgulhosos de verem seus filhos se instruindo na arte da matar, indiferentes à dor que possam causar.

Baseado naquelas fotos, acredito que qualquer porta-voz do Hamas poderia dizer que ali "as crianças aprendem que matar palestinos é algo bom". Pelo visto, crianças de ambos os lados são vítimas dos senhores do ódio e da intolerância, da ganância e da prepotência.

Entre a cruz e a bala perdida

Tudo indica que, para a imprensa, cabe às crianças apenas o papel de mártires, com as conseqüentes (oportunas?) "comoções públicas". Na trajetória das balas perdidas, geralmente se encontra uma criança. Parece fatalidade, entretanto isso é apenas uma questão de probabilidade facilmente verificável, pois as ruas e becos das favelas, onde o confronto polícia-bandido torna-se cada vez mais comum, estão sempre ocupadas pelos pequeninos, que, além do aparelho de TV, contam somente com esses espaços para extravasar suas energias em atividades lúdicas.


LEIA COMPLETO USANDO O LINK...
http://observatorio.ultimosegundo.ig.com.br/artigos.asp?cod=433FDS010

.