Páginas

É isso mesmo.

Sou filho de baiano, passei 38 anos sobre cárcere na periferia, lutando por melhoria. Sonhei e hoje vejo o filha da empregada do meu vizinho conseguir ir pra faculdade, pra poder ver o salto que nosso povo com muita luta está dando, falta muito é verdade. Mas temos hoje um governo que sabe o que é pobreza, luta por melhoria e principalmente corre pelo social. Não vou jogar fora minha luta, muito menos o orgulho dos que sempre tiveram lado a lado pelo certo. Não é hora de se omitir. Porque uma parte da elite está fazendo campanha a cada segundo pra tentar mudar esse país, e ele voltar ao lixo que era. VotoDilma Rousseff e pode ter certeza que tem um montão comigo.

Amanhecer Esmeralda nas livrarias

O primeiro livro infantil que escrevi volta as livrarias, numa nova edição. Adotado em centenas de escolas, o livro trata de vários assuntos que geralmente não são abordados corretamente para crianças.
Mudar o mundo está a um passo, uma pequena ação que gera uma reação em cadeia. Um novo olhar pode transformar uma realidade de dor em esperança, esverdeada como a esmeralda que emprestou sua cor ao vestido de Manhã.

Vendo Verdades

Salve, ontem foi mais um dia de estúdio, para gravar meu primeiro Audiobook, com vários textos inéditos e trechos dos livros, Capão Pecado, Deus foi Almoçar e Ninguém é inocente em São Paulo, tenho a honra de ter várias participações de peso, entre elas, o Gog, grande amigo e poeta de Brasília, e ainda Facção Central, o grupo mais contundente do rap nacional, chegaram a ler também os textos, o Allan da Rosa, Zeca Baleiro, e agora está gravando meu parceiro Ylsão do Negredo, estou muito feliz com o resultado do estúdio, e com certeza esse trabalho também vai ganhar as escolas e o público até não leitor, por se tratar de um livro sonoro. Vamos que vamos que muito ainda tem que se fazer para a cultura ganhar espaço no nosso país, em breve em todas as livrarias, Vendo Verdades.

Gravando meu primeiro Audiobook

Meu Parça Dum-Dum (Facção Central) gravando sua participação no meu primeiro Audiobook, vai segurando Facção Central lendo Capão Pecado.

Encontro L.M na Fábrica de Cultura do Jd. São Luiz

Salve, mais um Encontro da Literatura Marginal, dia 12 de julho na Fábrica de Cultura do Jd. São Luiz, com Lourenço Mutarelli e Elizandra Souza. a partir das 16.30, não perca. Mais informações no face da Literatura Marginal.


Feira do Rolo (Ferréz)


Feira do Rolo.

Ao longe agente já pode ver um monte de barracas, quase todas com uma lona amarela cobrindo para eventuais chuvas, ou mais provável, para proteger do sol o que elas deixam a mostra.
Pela estrada de Itapecerica é mais fácil, mas ela não tem só um endereço, na verdade tem dezenas, e talvez até centenas.
O terreno da ultima vez que foi usado foi por um circo, não o circo que recebe mais de nove milhões da lei rounet, não esse que te falo é nacional, com trabalhadores oriundos de várias quebradas, Pernambuco, Bahia, Minas, só brasileiros cansados da seca, do desemprego, mas que no fim do dia põe o sorriso em outros rostos.
O circo passou, o parquinho de diversões também, mas o terreno ficou, vazio, empoeirado, poeira essa que se levanta quando as primeiras barracas começam a ser montadas lá pelas sete horas da manhã.
São três corredores, metade da feira espõe no chão mesmo.
Pra estacionar o carro é uma calamidade, afinal na feira do rolo, todo mundo quer vender ou trocar algo, e não é difícil você ver homens testando motores, quase encostando o ouvido no bloco de ferro para ver se está falhando.
Muitos deixam os carros abertos, ai um entra, fuça, senta, mexe no porta mala, vai ver que se apaixona?
Esse é um Puma moço, ta zerado, pintura ok, ta novinho.
Então porque ta passando ele?
To com problema com a muié, sabe né, to desempregado.
Mas é bom você não ir para grupo, todo mês ele tem um carro ou dois para vender, então esse problema com a mulher é eterno.
Levo algumas fitas VHS, os filmes bons eu guardei, ação, aventura, mas os pornôs não dá para ficar, depois que fechei a locadora, não há mais espaço para nada em casa. Andando com os filmes, nem precisei oferecer. 
Quer fazer rolo nessas fita? Me abordou um homem que um dia foi branco, mas hoje o sol mudou isso, sem camisa, calça jeans até o tornozelo e com um amigo do lado, também moreno, só que com camiseta regata branca.
O que você tem ai? eu arrisco.
Tem isso aqui! E o sem camisa puxa da sacola um vídeo game Super Nintendo, sem controle, sem cabo, eu olho rapidamente e pergunto quantas fitas ele quer. Antes de responder o amigo dele se intromete e fala que tem um dvd de karatê pra rolo e pergunta quantas fitas dou nele.
O sem camisa encara ele, afinal ele ta atravessando o rolo, eu falo que dou quatro fitas, ele aceita, pega o dvd e me dá, Dragão Negro, já sei na hora porque ele não quer, é legendado, e isso é um grande defeito por aqui.
O amigo pega as outras fitas na minha sacola e começa a olhar, então pede. Deixa todas?
Eu penso, tem 7, olho o Super Nintendo e sei que é mais fácil de trocar do que fita, topo e saiu em seguida.
A Elaine ta comigo, não tira os olhos da barraca, tanta coisa, telefone antigo, aparelho de som, celular, mas o que predomina é peça de carro.
Agente anda com dificuldade, de cada seis pessoas que agente vê, uma tem um vídeo cassete embaixo do braço, e outra ta levando uma bicicleta.
Um homem me para e pergunta apontando para minha corrente.
Gosta de corrente? 
Gosto sim, respondo.
Ele abre a camisa e fala. Vê essa? Dá cinco nela?
Eu digo que não, uma ta bom, dou boa tarde e saio, o outro ta olhando pra minha sacola, pergunta o que é, respondo que é um Super Nintendo, ele sai.
Ali é assim, tudo muito rápido, interessou tem idéia, não interessou tchau.
Vou andando e paro numa barraca de games, olho um Master Systen, lembro que minha mãe me deu um, porra trabalhei dois anos na padaria e não consegui juntar o dinheiro, e agora ele num vale nada.
Na época minha mãe me deu um, na hora que vi meu coração balançou, e agora de novo, chamo o caro no rolo, ele pega o Super Nintendo e fala.
Sei não, olha aqui, esse ta queimado...pegou aonde?
Ali, no cara, ele tava andando.
Hi! Então ta ruim memo, ta todo zuado, olha o parafuso, ta espanado, e isso aqui em volta é cola, o cara abriu e quebrou tudo, mas eu pego no escuro.
Eu fico pensando, os caras são gênios, acabei de pegar o negócio e não reparei nada, ele já pegou e agora o aparelho vale muito menos, depois de cinco minutos estou com o Máster Systen na mão, com o meu Super Nintendo e com quinze reais a menos no bolso, agora já começo a andar atrás de um controle, depois de dez minutos acho um, cinco reais.
Então eu e a Elaine decidimos ir, enquanto ando, passo por uma barraca de VHS e vejo uma fita de um dos episódios do arquivo X, já sei que vou voltar na outra semana pra comprar, mas nem precisei desse motivo, o vídeo game não funcionou.
Então é outro domingo, lá vamos nós de novo, levo o vídeo game e apresento ao senhor.
O que? Não funcionou? Num tem problema, pega outro ai, e dessa vez vamos testar.
Então pego outro aparelho e o ajudante dele me leva na Perua Combi que faz os testes, chego lá um monte de gente com vários aparelhos nas mãos fazem fila para o testador, um pernambucano de 29 anos, camisa social, todo molhado de suor, nos olha com calma e pergunta o que é.
O Alemão mandou testar esse vídeo game aqui! 
O testador  pega o Máster, coloca na tomada, agente liga e acende a luz.
Ta testado. ele diz.
O ajudante do Alemão com ar de experiência diz. 
Luz acesa num indica nada, liga o jogo, o pernambucano meio contrariado liga o resto do aparelho e o jogo aparece na tv.
Agora sim.
Mas antes de entrega, ele tira um pincel, pega o aparelho e dá uma limpada, depois diz.
Ta vendo? Tem gente que acha caro, dois reais pra testar e eu ainda limpo o aparelho.
Chegamos na barraca do Alemão de novo, antes o ajudante dele me dizer que só faz esse bico para não ficar em casa.
Minha mulher é foda, enche meu saco, ta grávida então se vê né, prefiro ficar aqui, ajudo o Alemão, mas meu ramo é segurança.
Eu ouço atentamente, aprendi com os repórteres da Caros a ouvir.
A poeira levanta, o calor ta de matar, o número de pessoas aumenta, eu pego o vídeo game e saiu, estou quase saindo da feira quando vejo a barraca de VHS, pergunto o preço da fita do Arquivo X. Pago os dois Reais, mas vejo vários outros filmes, compro mais dois, e um deles é o Bullet, clássico estrelado por 2 Pac.
Empolgação, fazia tempo que estava atrás desse filme, mas esqueci que na feira do rolo você nunca pode se empolgar, então horas depois quando ponho o filme no meu vídeo e sento na sala esfregando as mãos, vejo que começa a passar, em vez de Bullet, o filme era pornô.
Semana que vem vou lá de novo ver se acho um rolo pro filme.