Blog do escritor Ferréz

Acompanhe a palestra mais perto da sua casa


Indicação leitura - Eu, S.A.

A algumas semanas criei um face sobre dicas de leitura, é o Ferréz leitor. Então vou postar aqui também, pois tem muita gente que só acompanha o blog.
Numa edição primorosa, Gene Simmons nos apresenta esse mix de biografia e livro de negócios. Eu como fã do baixista li o livro em um dia, recomendo para quem acompanha a carreira do KISS Brasil ou mesmo quem quer dicas de negócios. Bom no mínimo essa leitura que custa por volta de 30,00 vai te trazer uma super lição de vida, que foi a infância de Gene, vindo de um país em guerra, perseguido por ser Judeu, se tornou o rosto mais famoso do Rock. Depois que passei pela biografia de Peter Criss, o próximo membro é Paul Stanley, e ainda espero a biografia do último membro, o problemático mas único Ace Frehley Ferréz

Ferréz no podcast Lado B


Na sétima edição do podcast Lado B, os integrantes do programa conversam com um dos precursores da literatura marginal: Ferréz.
Ferréz sabe bem ler e retratar a vida ativa e os movimentos da periferia. Mas o LADO B foi além e traz para você a paixão do escritor por Histórias em Quadrinhos. Conheça as referências em arte sequencial do escritor, que variam de Sandman, Watchman a Armandinho e Turma da Mônica. Ele também fala sobre as adaptações dos quadrinhos para o cinema e muito mais.
Participam da entrevista: Fernanda Ribeiro, Tatiana Vasconcellos, Lucas Rodrigues, Matheus Cardoso e Léo Pereira
http://periferiaemmovimento.com.br/2015/05/lado-b/

O ofício e a oração (Ferréz)


O ofício e a oração.

Noite.
O filme está bom, mas paro na metade e vou ver um doc, amanhã é dia de compromisso e a mente tem que ficar a milhão.
Lá fora os muleque joga bola, uma barulheira do cão, uns palavrão entra pela sala, a vizinha já proibiu eles de jogarem na porta dela, eu de vez em quando só digo para dar uma maneirada na boca suja.
O doc é duro, ideológico, marca presença, foi presente de um mano que me trombou no metrô, disse que gostava dos meus textos e que tinha um trabalho paralelo na escola onde dava aula, um trabalho de conscientizar a molecada.
Subo e pego um livro, Capitalismo de laços, os donos do brasil e suas conexões. Como dizia o Ghóez temos que estudar os inimigos.
Logo o sono chega e amanhã o dia vai ser mais curto.
Dia.
Lavo o rosto e tomo um gole de café preto, vou pro quartinho separar os livros, alguns Cronistas, alguns Desterro, um exemplar só do Manual e vários Capão Pecado, o que até hoje mais vende nas palestras.
Olho a pasta com os textos, alguns contos, algumas crônicas, sempre deixo para escolher na hora o que vou ler, o clima que me diz o que fazer.
O telefone toca, o motorista quer saber que horas pode vir, agora que não tenho mais celular tá todo mundo inseguro, pensando que eu não chego, mas sempre chego.
Marcamos o horário, nessa palestra vai ter transporte, as vezes num tem, ai o metrô me leva ou arrumo um parceiro para me levar, já pedi favor para tantos que nem sei, num gosto de dirigir para longe, ainda mais quando volto guiando depois de tanta idéia, a cabeça fica voando.
A bolsa tá arrumada, a Elaine pegou a máquina fotográfica, nessa ela vai comigo, me ajuda a montar a mesa com os livros, a tirar as fotos, e me faz companhia no caminho as vezes longo.
Nessa vamos varar São Paulo, de um extremo a outro, sentido Zona Leste.
O motorista é silencioso, dirige com atenção, já peguei uns loucos que cês nem imagina, esse é tranqüilo, em uma hora e meia chegamos, a vã balançava um pouco.
Ainda não posso pegar peso por causa da recente cirurgia, mas a mochila vai um pouco cheia, esperança de boas vendas.
Entro na escola, a responsável pelo evento vem me abraçar, conversamos um pouco, os alunos estão animados, nunca conheceram um escritor de verdade, segundo ela essa fita eu vou mudar hoje.
Já fiz palestra em todo lugar, Fundação Casa, FAAP, na gringa, cadeia, liberdade provisória, escola do interior, cursinho universitário, e nelas já vi de tudo, palestra de autor que só quer se promover, provar que tem seu lugar de destaque no mundo, outros que só falam da obra que ainda vão fazer, tipo uma pré venda tá ligado? Outros vão falando dos seus novos projetos para crianças que não sabem nem quem é ele.
Tarde.
Vou ao banheiro, olho no espelho. 
- Senhor me ajude a encontrar o caminho e poder passar um pouco, falar da conspiração da mídia, colocar na cabeça dessas crianças para não seguir o caminho da massificação, lutar contra o consumismo, mostrar a verdade do Ser em vez do Ter. Trazer o amor a família, o valor da periferia, a nossa auto estima, a importância cultural que temos, o valor da nossa cor e da nossa história, me ajude senhor, a trazer consciência, senso crítico, auto valorização, e mostrar o plano maquiavélico que sempre beneficiou a elite e nos massacra financeiramente e culturalmente nesses anos.
- Que eu traga em minhas palavras o inconformismo, que eu transmite o ódio de todos os dias iguais, sem uma vida justa para todos, que eu provoque não a revolução pessoal, mas a mudança da sociedade, não o ganho material mas o valor social de uma vida digna para todos.
- Que eu represente senhor, com responsabilidade, os que nunca escreveram, nunca rimaram, nunca sequer tiraram os textos da gaveta, para que esse ofício, a labuta com a caneta seja uma centelha de esperança e não de comodismo.
- Me ajude senhor, a pregar contra as marcas que me povo usa, mas que usam mão de obra escrava igual ao meu próprio povo, contra o álcool que contamina nossas crianças, contra a sua evolução as drogas, os alienadores de realidade que é tão dura, mas é nossa verve para ter sucesso pela dor senhor, me ensine a falar com sábias palavras contra a elite que não mostra o nosso real valor, que nos humilha, nos envergonha pelo nariz, pela boca e ri do nosso cabelo, me mestre como nessa uma hora, deixar uma marca nessas vidas, para que eu também tenha um sentido na minha própria vida, sendo verdadeiro e honesto, afinal o gueto reconhece isso logo de cara.
  • Me ajude senhor, para representar todos os amigos que morreram travando a guerra, aos que não puderam ver mais o sol de cada dia, e aos que nunca souberam o valor de uma vida, que eu fale em nome dessa verdade hoje.
  • Da paciência de Mandela, da fúria de Malcon, da verdade de Luther King, das ruas de Lima Barreto, dos versos de Sabotage.
O espelho não responde, mas eu encaro ele ainda por alguns segundos, para ter certeza e vou.

Leia o que andam falando de Os Ricos Também morrem.

http://www.livroterapias.com/2015/04/resenha-os-ricos-tambem-morrem.html?showComment=1432051532393#c247494735801178950

Leia o que andam falando de Os Ricos Também morrem.

http://www.livroterapias.com/2015/04/resenha-os-ricos-tambem-morrem.html?showComment=1432051532393#c247494735801178950

Nova página para leitores.

Salve, como muita gente monta página idiota todos os dias, então agente dá uma sacudida na balança, montei uma página só para dicas de leitura, chama: ferréz leitor. (no Facebook) Ai você pode conferir textos como esse que postei aqui abaixo. A missão é aumentar nosso exército de leitores, com tantas pesquisas tristes como essa de mais de 70% nem sequer pegou num livro ano passado, nós temos muito trabalho pela frente.
Lá também você pode mandar sua indicação.
O primeiro texto é sobre a trilogia Millennium.
A Série Millennium é uma série composta de três volumes escritos pelo jornalista sueco Stieg Larsson, para quem não conhece a história do cara, e tão ou mais foda do que os livros. Um autor militante que dedicou sua vida ao jornalismo e a ajudar os outros. Após sua morte precoce, a editora vai fazer um quarto volume pelo também sueco David Lagercrantz, a ser lançado em Agosto de 2015 na Suécia.
No Brasil o primeiro volume foi lançado em 2008, você pode encontrar sempre a um bom preço, eu por exemplo comprei a 28,00 reais, para um livro gigante desse que vai te divertir e instigar tanto tá super bem pago.
O tema da violência sexual contra as mulheres nos seus livros deve-se ao fato de que Larsson, enojado, testemunhou o estupro coletivo de uma jovem quando ele tinha 15 anos. O autor nunca se perdoou por não ajudar a garota, cujo nome era Lisbeth - como a jovem heroína de seus livros, e resolveu dedicá-los a ela.1 Após a morte prematura de Larsson, Lagercrantz foi convidado pela editora Sueca a assumir a continuação da série, ignorando os manuscritos deixados pelo autor em posse de sua companheira - impossibilitada pela justiça a continuar a escrever a série, pois ela e Larsson não eram legalmente casados.
Saiu uma biografia sobre Stieg Larsson, que além de sua vida aborda muito sua militância, vale a pena conferir também, mas só depois de você ler a trilogia.
No Brasil, a série é publicada pela editora Companhia das Letras, e em Portugal, pela editora Oceanos.
Texto: Ferréz Leitor com ajuda da Wikipédia.